terça-feira, 31 de março de 2009

MG News : Rabino quer que judeus confiem em evangélicos e que evangélicos amem Israel

Numa fria noite de sexta-feira no Upper East Side, em Manhattan, uma multidão de 200 pessoas se reuniu para ouvir o rabino Yechiel Z. Eckstein falar sobre o tema “O direito cristão: Melhores amigos dos cristãos ou maiores adversários?”.
Haskel Lookstein, rabino da Congregação Kehilath Jeshurum há 50 anos, introduziu Eckstein rapidamente. Foram mostradas as credenciais do pregador convidado, incluindo seu pai (nascido em Jerusalém e rabino chefe aposentado do Canadá).
Ambos os líderes judeus, Eckstein e Lookstein, passaram o inverno juntos na Flórida.
Na Kehilath Jeshurun, Eckstein defende os evangélicos americanos com o mesmo fervor que um pregador do sudeste.
De uma forma tranqüilizadora, ele critica o público, composto principalmente de profissionais de colarinho branco, pelos prejuízos dos preconceitos contra os evangélicos. Eckestein conta para a multidão uma série de sacrifícios que evangélicos têm feito para assegurar que judeus pobres consigam a ajuda que precisam: existe a mulher que doa parte do seu pequeno cheque de aposentadoria; outra que substituiu o lattes (tipo de café) para o “café do dia” e doa a diferença; e a família que renuncia presentes de natal para cuidar de crianças israelenses.
Ao longo dos anos, cristãos têm doado meio bilhão de dólares para uma organização fundada por um rabino ortodoxo.A IFCJ, Associação Internacional de Cristãos e Judeus, organização de 26 anos criada por Eckstein, é eficiente em levantar fundos para cristãos via email direto e internet.
Ano passado a organização levantou em torno de 88 bilhões de dólares, tornando-a uma das maiores e mais bem-sucedidas organizações religiosas de caridade na América.A conexão cristã-judaica de Eckstein é descrita como uma organização de caridade transcendente.
Antes desta década, evangélicos lideraram o caminho reavivando a adormecida indústria de turismo de Israel depois dos letais ataques terroristas no estado judeu. Eckstein perguntou ao auditório, “Quantos de vocês sabem que a IFCJ recentemente deu no mínimo 500 dólares para cada sobrevivente do holocausto - um ato que nenhum grupo judeu fez?”. Nenhuma mão levantada.
Se Eckstein não direcionou sua audiência para os amigos de evangélicos, ele no mínimo deixou claro que não os odeia. Encantador, gracioso, bem-humorado e agradável, Eckstein se tornou o rosto mais conhecido entre os cristãos.
Não há incômodo por ele ser bonito, vestir-se elegantemente, e ser alto.
Ele convence os judeus ultrapassados que cristãos conservadores e judeus ortodoxos dividem um inimigo em comum: o islamismo radical.
Ele reconta como foguetes militares iranianos eram designados, “primeiro para as pessoas de sábado, depois para as de domingo”.
Meia dúzia de organizações com metas similares a da IFCJ montaram stands nos últimos anos da Convenção anual de radiofusores evangélicos. Eckstein, por muitos anos trabalhou entre cristãos radiofusores como uma anomalia, sem estar certo que os motivos dos outros grupos eram altruístas. Ironicamente, alguns vêem a IFCJ como uma competição.
“Alguns cristãos me vêem tanto no grupo deles que até pensam que eu sou um também”, Eckstein revela. “Existe ressentimento e ciúme.”Eckstein, na sua sinagoga em Nova York, cuidadosamente evita mencionar o nome de Jesus.
Ele faz repetidas referências “você sabe quem”. Mas o que esse rabino que pode citar passagens do novo testamento melhor que a maioria dos cristãos realmente pensa sobre Jesus?
“Eu estou tão longe como qualquer um pode ir e continuar a ter bons antecedentes judeus”, garante. “Jesus, de alguma maneira, foi enviado por Deus numa nomeação divina para trazer o que os cristão chamam de salvação para os gentios. Ele foi o caminho para ser inserido na oliveira de Israel. Mas o pacto judeu continua sendo válido. “As raízes suportam o galho”.
Por vezes, Eckstein parece ensinar crentes em métodos evangélicos. “Cristãos não convertem ninguém. Isso é um trabalho do Espírito Santo”, explica.
“A missão deveria dividir o amor de Deus através de Cristo. Deixar Deus trabalhar no individual. A tarefa dos cristãos é amar como Jesus amou”, completa.
Líderes evangélicos nascidos nos anos 30, como Hayford e Jerry Falwell, persuadiram seguidores de que defender Israel era uma prioridade. Mas líderes mais jovens freqüentemente têm outras questões em suas agendas, como lutar contra a AIDS e a pobreza global. Enquanto administrações nas universidades de Liberty Regent e Oral Roberts permanecem com a IFCJ, Eckstein não sabe se sua causa ressoa em outro campo evangélico.
Ele espera seguir o exemplo de Falwell e Robertson em estabelecer uma organização que não vai desaparecer depois que o fundador se for. “Isso não é chamado ‘Ministério de Yechiel Eckstein’”, assegura. “Eu espero ter criado uma instituição, uma causa e um movimento que poderão sobreviver”.
Eckstein permanece ciente do sofrimento dos cristãos. Em dezembro, a IFCJ doou comida e roupas para cristãos pobres através de igrejas em Belém, Jericó e Nazaré.
O rabino acredita que é urgente que judeus em Israel reconheçam os evangélicos, em sua maioria, como aliados confiáveis na guerra contra o Islamismo radical e o terrorismo.
Um segmento de judeus permanece desconfiado, acreditando que a única razão dos evangélicos darem suporte a Israel é para ajudar a cumprir a profecia da Segunda Vinda. “Alguns em Israel não gostam de mim porque estou diminuindo a parede e eles não querem acreditar nos cristãos”, confessa Eckstein.
“Eles sentem que eu estou amolecendo a comunidade judaica, tentando trazer Jesus pela porta de trás”.
Eckstein não é dissuadido de prosseguir na sua causa. “Eu gostaria de ver o ponto onde existe cumplicidade verdadeira na IFCJ, onde cristãos seriam cristãos melhores, judeus seriam judeus melhores, onde o mundo poderia ser um lugar melhor”.

Fonte: Cristianismo Hoje

domingo, 29 de março de 2009

MG News : Igrejas defendem a rejeição de acordo entre Brasil e Vaticano

Contrários ao acordo assinado entre Brasil e Santa Sé em novembro de 2008, igrejas, grupos religiosos, especialistas e deputados pedem a rejeição do texto pelo Congresso Nacional. Religiosos alegam que documento sugere prevalência da fé católica; CNBB nega privilégios e diz que Santa Sé tem acordos com 70 países.
O documento, que levou mais de um ano para ser costurado -era pleiteado pela Igreja Católica havia mais de uma década-, foi assinado no Vaticano durante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao papa Bento 16 e deve chegar à Câmara nos próximos dias.
Segundo denominações religiosas e até grupos católicos defensores do Estado laico, o documento sugere a prevalência da fé católica sobre as outras e ameaça o ensino leigo em escolas públicas.
A falta de discussões públicas sobre o acordo também é alvo de críticas.
O Colégio Episcopal da Igreja Metodista fez uma declaração pública pedindo a sua não aprovação, por considerar que ele fere o artigo 19 da Constituição -que veda relações de dependência ou aliança entre a União e igrejas e a "distinção ou preferência entre brasileiros". "Reafirmamos o direito da liberdade religiosa como um dos pilares indispensáveis de uma sociedade democrática", diz a nota.
Coordenadora do grupo Católicas pelo Direito de Decidir, Maria José Rosado Nunes lembra que o Brasil nunca precisou assinar acordos semelhantes porque a liberdade religiosa é garantida. "Foi um acordo costurado às escondidas da sociedade", diz. Ela acredita que a redação indica a prevalência de uma religião. Como exemplo, cita o trecho do texto que diz "O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas".
A professora ressalta ainda a vantagem da Igreja Católica no ensino religioso em escolas públicas: "Com todo seu poder no campo da educação, ela mobiliza todo seu aparato para fazer do ensino um ensino católico".
Tímido
O coordenador de Projetos do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP, Francisco Borba Ribeiro Neto, discorda do argumento de que o acordo privilegie a fé católica: "O acordo é até tímido, genérico demais".Ribeiro diz que a todo o momento o texto reforça que os tópicos estão sob leis brasileiras -"o acordo não faz nada além de normatizar o que já existe"- e cita a peculiaridade da Igreja Católica de ter se constituído como Estado autônomo: "É um acordo entre Estados".
O antropólogo Emerson Giumbelli, professor da UFRJ, cita exemplos em que o texto vai além da ratificação. São os artigos que tratam da anulação de casamentos religiosos, o não vínculo empregatício de sacerdotes e, ao falar do ensino religioso público, aquele que permitiria legislar sobre outras confissões e insinuaria maior pertinência de uma religião.
"Precisamos de um acordo dessa natureza no Brasil democrático de hoje? Quais seriam os impactos sobre outras confissões em um país que abriga tantas delas e procura hoje tratá-las com igualdade?
"Desde a assinatura, a CNBB tem se esforçado para explicar que não há privilégios ou discriminação. "O reconhecimento do Estado laico é um valor", afirma o presidente da CNBB, dom Geraldo Lyrio Rocha.
O Vaticano, Estado reconhecido pela ONU, tem tratados desse tipo com cerca de 70 países.Um dos principais objetivos da Igreja Católica é organizar questões jurídicas, inclusive trabalhistas. A Santa Sé reivindicava que não se reconhece vínculo empregatício entre os ministros ordenados: nos últimos anos, houve casos de padres que, ao deixar o sacerdócio, buscavam indenização.
O mesmo ocorreu com fiéis que prestavam trabalho voluntário.Pelo menos dois deputados federais foram a público criticar o acordo. Arolde de Oliveira (DEM-RJ), que é ligado à Igreja Batista, afirma que não é uma questão religiosa, mas de respeito à Constituição. Já o deputado federal José Genoino (PT-SP) afirma que suas restrições se baseiam na defesa do Estado laico.
Ele quer solicitar audiências públicas no Congresso.
Depois da assinatura do acordo, o Ministério das Relações Exteriores enviará o documento para a Casa Civil, que o remeterá à Câmara. Na Comissão de Relações Exteriores, o texto se transformará em Projeto de Decreto Legislativo. Antes de ir a plenário, passará pela Comissão de Constituição e Justiça. Se aprovado na Câmara, tramitará ainda no Senado.
Fonte: Folha de São Paulo

sexta-feira, 27 de março de 2009

MG News: peixe é a isca: projeto de lei sobre pesca vira “peixe-de-tróia” da agenda gay

Petistas transformam lei sobre peixes em máquina secreta para expandir e fortalecer os objetivos do movimento homossexual em todo o Brasil
Algo está cheirando a peixe podre no governo do rei Lula.
Como se já não bastassem os cavalos-de-tróias para promover leis anti-“homofobia”, agora o PT criou o “peixe-de-tróia”. Está tramitando no Congresso Nacional o PL 3960/2008, de autoria do Poder Executivo, o qual dispõe sobre o Ministério da Pesca e Aquicultura.
Aparentemente, a intenção original do projeto era lidar apenas com peixes.
Mas então, políticos petistas tiveram a inspiração de sequestrá-lo para outro objetivo. Afinal, quem é que desconfiaria que a agenda gay poderia vir embutida numa legislação sobre peixes? Foi com tal inspiração que a deputada Irini Lopes (do PT do Espírito Santo) apresentou a emenda 34 ao PL 3960/2008.
Normalmente, a emenda de um projeto de peixes deveria tratar apenas de peixes.
Contudo, a emenda 34, conforme o Dr. Paulo Fernando de Melo explica, estabelece “o Conselho Nacional com inúmeros cargos para gays, bissexuais, travestis e transexuais, equiparando-o aos Conselhos da Criança e do Adolescente, ao Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência e ao Conselho Nacional dos Direitos do Idoso”.
Em si, a emenda 34, que nada tem a ver com peixes, cria o “Conselho Nacional de Promoção da Cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais”, com cargos de salários elevados.

Além disso, a emenda diz: Por fim, a alteração proposta altera o atual Conselho Nacional de Combate à Discriminação, que passa a trabalhar com foco e denominação mais específicos, referentes aos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais — LGBT, uma vez que as demais competências já encontram forum específicos, a saber: o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial — CNPIR, que tem “por finalidade propor, em âmbito nacional, políticas de promoção da igualdade racial com ênfase na população negra e outros segmentos étnicos da população brasileira, com o objetivo de combater o racismo, o preconceito e a discriminação racial e de reduzir as desigualdades raciais, inclusive no aspecto econômico e financeiro, social, político e cultural, ampliando o processo de controle social sobre as referidas políticas”.
O relator do PL 3960/2008 é o deputado José Cirilo (do PT do Ceará).
O projeto está tramitando em caráter de urgência e, se não houver oposição, o “peixe-de-tróia” vai passar despercebido por uma maioria de deputados habitualmente desatenta às tramas e más intenções do governo.
Depois do “peixe-de-tróia”, o que mais os esquerdistas planejarão? Insinuarão que os peixes são contra a “homofobia”?
Aliás, bem ao estilo comunista que impõe em tudo propaganda enganosa para suas políticas absurdas, a campanha “Brasil Sem Homofobia” quer atingir terra, mar e céu — tendo já inundado o Brasil com panfletagem homossexual, querendo agora usar os peixes do mar e, se Deus deixasse, os petistas pregariam adesivos “Céu sem homofobia” nas asas dos anjos.
Quando o assunto é sodomia, a depravação socialista não tem limites. Se não poupam nem crianças das escolas, como pouparão os peixes?

Fonte: http://www.juliosevero.com/

MG News : ONU aprova resolução contra a difamação de religiões

O Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) aprovou nesta quinta-feira, 26 de março, resolução que recomenda a aprovação de leis contra a difamação de religiões.
O texto, proposto pelo Paquistão em nome dos países muçulmanos, foi criticado por governos ocidentais e por uma aliança de grupos ativistas por limitar a liberdade de expressão.
Cerca de 180 organizações religiosas, seculares e de imprensa fizeram campanha contra a resolução, que, afirmam, "pode ser usada para silenciar e intimidar ativistas de direitos humanos, dissidentes religiosos e outras vozes independentes".
A resolução teve apoio de 23 dos 47 membros do Conselho. Onze países rejeitaram o texto, e 13 se abstiveram, entre eles o Brasil.
Fonte:Folha de São Paulo

quinta-feira, 26 de março de 2009

entrevista do Rev. Augustus Nicodemus cedida à Enfoque Gospel

ENFOQUE – Como o senhor analisa hoje o cenário evangélico brasileiro?
Augustus: Vivemos um momento de grandes mudanças no cenário brasileiro evangélico, mudanças que começaram a ser gestadas quando as igrejas evangélicas em décadas passadas passaram a abandonar o referencial da Reforma protestante, o referencial da própria Escritura Sagrada, a Bíblia, e passaram a se entender como um movimento voltado para a satisfação das necessidades imediatas e materiais dos seus aderentes e a aferir o sucesso espiritual pela prosperidade material.


As igrejas neopentecostais continuam a crescer e continuam a não ter rumo teológico algum, escandalizando cada vez mais a opinião pública, envergonhando os evangélicos com práticas e costumes bizarros e estranhos, e com escândalos que ganham a mídia e que revelam os intestinos dessas igrejas.
Espanta-me o fato que a teologia da prosperidade continua crescendo apesar de tudo. Mas, não é somente isso.
Hoje, as igrejas evangélicas pentecostais tradicionais correm o risco de ser minadas pelo liberalismo teológico, através dos obreiros e pastores que vão buscar um diploma de teologia reconhecido pelo MEC em universidades públicas e seminários dominados pelo velho liberalismo teológico. Não há nada errado em almejar um diploma desses, mas é que as instituições credenciadas para emiti-los usam o chamado "método científico" para estudar a Bíblia, método esse que parte do pressuposto que ela é simplesmente um livro religioso e não a infalível Palavra de Deus.


As igrejas históricas continuam pequenas e sem muito poder de fogo no cenário nacional, embora sejam elas que estejam fornecendo os professores de seminários onde os demais evangélicos vão buscar diplomas reconhecidos. São elas, também, que estão na linha de frente provendo informações e estudos sobre as questões éticas que estão sendo debatidas hoje no Brasil, como, por exemplo, a lei da homofobia. Algumas dessas denominações tradicionais estão totalmente divididas internamente entre conservadores, pentecostais e liberais, que lutam por tomar o controle dessas denominações.Em outras palavras, não vejo o atual cenário brasileiro evangélico com muito otimismo, embora recentemente tenham acontecido algumas coisas que sugerem que nem tudo está perdido.


Uma denominação histórica que estava muito minada por pastores e professores de teologia liberais deu uma reviravolta e cortou toda e qualquer relação com organismos ecumênicos que envolvam o catolicismo. Para muitos foi um retrocesso, para mim, um avanço. Percebo igualmente um aumento do interesse de muitos, especialmente dos pentecostais, pela teologia reformada, pela teologia conservadora séria, erudita e pastoral, que traz um misto de profundidade e piedade. Cresce bastante o mercado de livros evangélicos com boa teologia e boa prática. Isso traz alguma esperança.


ENFOQUE: As igrejas históricas estão conseguindo sobreviver aos furos das neopentecostais?


Augustus: Em parte. Por um lado, o neopentecostalismo é tão obviamente antibíblico que a tarefa dos pastores e líderes das igrejas tradicionais fica mais fácil. Seria mais difícil se o neopentecostalismo fosse mais sutil, mais sofisticado. Mas, é um movimento de massas, levado avante no grito, na centralização do poder nas mãos de pseudo-bispos e apóstolos que manipulam as massas usando a Bíblia como pretexto para recolher milhões e milhões de reais.


Não é difícil para qualquer pessoa um pouco mais esperta desconfiar do que realmente está acontecendo.Por outro lado, o apelo que o neopentecostalismo faz à alma católica dos evangélicos é muito grande: objetos ungidos, relíquias, líderes apostólicos, prosperidades, milagres físicos – tudo herança do catolicismo na mentalidade brasileira. Mas, muitas igrejas tradicionais já estudaram o assunto e já tomaram posição sobre ele.


A Igreja Presbiteriana do Brasil, por exemplo, tem veiculado cartas pastorais que instruem seus membros sobre o movimento G-12, as práticas da Universal do Reino de Deus, coreografia e dança litúrgica, para mencionar alguns. Isso ajuda os membros e pastores presbiterianos a ficarem firmes contra essas práticas.


ENFOQUE: Na sua opinião, qual será o futuro da Igreja Evangélica Brasileira?Augustus: Como alguém já disse, “é muito difícil profetizar sobre o futuro”.


O presente sugere que esse futuro não é róseo. O crescimento vertiginoso entre os evangélicos do pragmatismo, o relativismo, o liberalismo, a libertinagem, associado à desorganização e à fragmentação do movimento evangélico só pode pressagiar dias maus pela frente, a menos que Deus tenha misericórdia de Sua Igreja e intervenha de forma poderosa, como já fez várias vezes no passado.


O que mais me preocupa quanto ao futuro é que os evangélicos estão cada vez mais achando que os valores morais e doutrinários são relativos e cada vez mais abandonando o conceito de verdades absolutas e permanentes. Essa tendência é o resultado óbvio da influência do relativismo que permeia a cultura brasileira.


Uma amostragem do relativismo, que desemboca na libertinagem, pode ser encontrada em blogs, comunidades no Orkut e sites evangélicos na internet. Há comunidades evangélicas no Orkut, por exemplo, onde o sexo entre os jovens cristãos antes do casamento é defendido como se fosse absolutamente normal. Os jovens são expostos a todo tipo de doutrinação sem ter o acompanhamento de seus pastores e líderes, que via de regra não estão familiarizados com essa forma de comunicação ou não têm tempo. Pais e líderes evangélicos ficariam abismados se entrassem nessas comunidades.


Por um lado, os jovens evangélicos são hoje muito mais bem informados e críticos que os de gerações anteriores. Por outro lado, receio que uma nova geração de evangélicos está se formando, em que pese o alcance ainda bastante limitado desses meios de comunicação, que verá com naturalidade a relativização dos valores morais e dos pontos doutrinários basilares do Cristianismo, com trágicos resultados para a fé e o testemunho cristãos.




Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com

quarta-feira, 25 de março de 2009

MG News: Detentos evangélicos mandam no antigo presídio do Carumbé

Por Renato Cavallera
Quem dita as ordens hoje no Centro de Ressocialização de Cuiabá (antigo presídio do Carumbé) são os presos evangélicos que ocupam 2 alas da unidade 1, com cerca de 400 detentos dos mais de mil que ocupam vagas destinadas a 500. As denúncias foram feitas à reportagem do Jornal A Gazeta por agentes penitenciários que hoje correm o risco de serem punidos pela direção da Unidade pelo fato de manterem os presos “convertidos” trancados nas celas como medida de segurança, depois que o Centro teve a população aumentada em mais de 300 presos de alta periculosidade, removidos da Penitenciária Central de Cuiabá.
Os denunciantes trabalham diariamente nas unidades e se dizem abandonados pelo Estado e impotentes diante dos privilégios e benefícios concedidos à população carcerária. Ameaçados constantemente de mortes, sem direito a porte de arma e nem a carteira funcional, a categoria se diz acuada diante do quadro de superpopulação carcerária que enfrenta. Segundo os denunciantes, a situação nas unidades prisionais do interior é mais grave, onde os agentes não contam nem com o apoio dos policiais militares.
O agente C., 36, relatou que hoje corre o risco de ser preso, pois anda com uma arma ilegal e não possui porte. Isto porque foi informado por um superior de que ele e a família estavam sendo ameaçados de morte por um criminoso, líder de quadrilha.
Sem direito a porte e a carteira funcional, corre o risco de ser apanhado em uma blitz e depois de preso ser jogado em uma unidade prisional junto aos marginais que o ameaçam. Afirma que ele e os colegas já foram alertados pelo diretor da unidade, Dilton Matos de Freitas, que assumirão as “consequências” de manter os evangélicos presos nas celas, caso “ocorra alguma coisa”. Isto porque os “convertidos”, entre outros privilégios, andam livremente pelos corredores da unidade, sendo apenas monitorados por outros “irmãos” escolhidos por eles.
Mas os agentes relatam que mesmo entre os convertidos estão criminosos de alta periculosidade e que já estão escolhendo os carcereiros que querem que atuem nas alas, sugestão que vem sendo aceita pela direção. Além disso, as alas evangélicas são as únicas que não passam por revistas minuciosas, como as demais.
Os próprios agentes tentaram conversar com a direção da unidade em reuniões que não aconteceram. Mas os relatos de privilégios entre presos são antigas, tanto que na edição do dia 29 de maio do de 2008, o Jornal A Gazeta publicou matéria de denúncia feita junto ao Ministério Público contra o diretor Dilton Matos de Freitas, relatando os privilégios e facilitações de fuga de criminosos perigosos. Na época, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) disse que uma sindicância interna iria apurar o fato.
De acordo com a assessoria da Sejusp, a Instrução Sumária ainda não foi concluída, pois há depoimentos ainda em andamento. O diretor continua até que seja comprovada qualquer culpabilidade. Quanto a denúncia de favorecimento aos evangélicos, os mesmos ficam em uma ala denominada de Ala Evangélica, porém, sem que o Sistema Prisional promova qualquer privilégio.
Realidade - A falta de apoio por parte do estado à categoria começa pela falta de capacitação. O agente R., 39, disse que há 3 anos ingressou na carreira por serviço público e não passou por nenhum curso preparatório ou de formação para atuar nas unidades prisionais. “A única frase de incentivo que ouvi do superior foi: seja austero. Daí recebi as algemas”.
Segundo ele, ao contrário dos policiais militares e civis, que são preparados para o trabalho, os agentes penitenciários não tem qualquer formação, apesar de estarem diariamente em contato com criminosos de alta periculosidade e enfrentado falta de condições mínimas de trabalho dentro das unidades. Em média, 2 agentes ficam responsáveis por cerca de 150 criminosos.
Representando a categoria dos agentes, a secretária do Sindicato dos Policiais e Agentes Carcerários, Jacira Maria da Costa e Silva, reforça as acusações de omissão e abandono do estado em relação a categoria e da falta de cursos de formação, previstos inclusive com verbas federais que não vem sendo aplicadas. Segundo ela, existe em Brasília um projeto de uma escola voltada para estes servidores, que já teria sido implantada com recursos do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).
Mas a escola existe apenas no papel aqui em Cuiabá. O sindicato questiona a aplicação desta verba mas, segundo ela, até agora não obteve resposta. O que vem acontecendo, segundo Jacira, é que uma fundação vem usando as verbas mas para promover os cursos para os reeducandos que deixam as unidades e não para os agentes, como deveria ocorrer.
Segundo a assessoria da Sejusp, os últimos agentes contratados foram nas gestões anteriores à do secretário Diógenes Curado Filho. Em 2008, não houve contratação de nenhum servidor temporário.
A Coordenação de Educação Penitenciária, que funciona atualmente junto com a Fundação Nova Chance, desenvolve capacitações com os agentes prisionais, a exemplo do Curso de Formação Continuada dos Servidores Envolvidos na Ressocialização, ocorrido ao longo de 2008, quando foram capacitadas 450 pessoas nos municípios de Rondonópolis, Juara, Cáceres e Sinop. Em Cuiabá, o curso será desenvolvido neste ano, junto com outros pólos que não foram contemplados no ano passado. Em cada curso, os agentes e comunidade debatem temas como Direitos Humanos; Educação em Prisões; Estatuto da Criança e do Adolescente; Diretrizes Gerais da Secretaria Adjunta de Justiça; Homofobia.
Além disso, servidores em geral da segurança pública podem se inscrever nos cursos de Educação à distância ofertados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública. Em 2008, mais de 11 mil servidores da segurança se matricularam nos cursos EAD, um crescimento de 334% em relação ao total do ano de 2007. Destes, 3.474 são agentes prisionais.
Outro benefício proporcionado com recursos do Governo Federal é a Bolsa Formação, cujo servidor, para ser beneficiário, deve estar enquadrado nos requisitos solicitados pelo Pronasci, como: estar matriculado em um curso de EAD, receber salário bruto de até R$ 1,7 mil e não ter cometido infrações administrativas nem penais nos últimos 5 anos. O beneficiário do Bolsa Formação recebe uma ajuda de R$ 400.
A categoria cobra os investimentos de R$ 15 milhões de reais, anunciados em setembro de 2007 e que viriam do Governo Federal para a construção de 3 novas unidades prisionais no interior, ampliando em mais 450 vagas no sistema prisional. Segundo o estado, os recursos foram aplicados, na construção de 3 Centros de Detenção Provisória com 160 vagas em cada um. O de Tangará da Serra já está concluído e a Sejusp está providenciando agora a parte de mobília do prédio. Os outros 2, Pontes e Lacerda e Juína estão em construção. Um quarto CDP será construído em Peixoto de Azevedo e o recurso já está empenhado para Mato Grosso.
Quanto a questão das carteiras funcionais, a Sejusp contesta as informações do sindicato e assegura que basta o agente procurar a sede da Coordenadoria da Polícia Técnica (Politec) para a confecção, porém, ainda sem o porte de arma. Sobre o porte de arma, o processo para autorização está em andamento, pois a legislação que define porte de arma especifica que o profissional deve apenas ter o armamento em serviço.
Quanto a pagar por algemas e uniformes, a informação não procede, assegura a Sejusp. Em 2008, mil algemas de pulso foram adquiridas pelo estado para atender as unidades prisionais. Uma outra aquisição, que está em andamento, são para algemas de tornozelo, cujo processo está em finalização com os produtos previstos para serem entregues brevemente.
Qualquer aquisição, segundo a assessoria, deve ser prevista nos planos de trabalhos anuais (PTA) elaborado no ano corrente para o exercício subseqüente. Em 2007 não foi feita previsão orçamentária para aquisição de uniformes para servidores do Sistema Prisional em 2008. Contudo, para o exercício deste ano a secretaria previu tal aquisição no PTA e deve fazer a compra dos uniformes. Mas mesmo em face dos vários problemas existentes no sistema prisional, pela sua complexidade, o governo não estuda a possibilidade de criar uma secretaria só para atender o setor, como sugerem os agentes carcerários e seus representantes.

MG News : Bancada evangélica faz Câmara rejeitar proposta de utilidade pública de parada gay

A declaração de utilidade pública para a Associação Paranaense da Parada da Diversidade foi rejeitada pela maioria dos vereadores de Curitiba. Com a titulação, a entidade, que integra o movimento GLBT - Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais - pode se habilitar a projetos e convênios com o poder público e ainda conseguir isenção da taxa de alvará de funcionamento. Porém, a proposta não foi aceita na Câmara Municipal de Curitiba. Para o vereador pastor Valdemir Soares (PRB), os recursos públicos não devem ser usados para esta finalidade e, nas palavras dele, devem ser mais bem investidos.
A opinião do pastor da Igreja Universal levantou uma polêmica na Câmara Municipal - religião e homossexualismo. O vereador Algaci Tulio (PMDB) defendeu o projeto e a igualdade entre as pessoas. Para o coordenador da Appad, a Associação Paranaense da Parada da Diversidade, Marcio Marins, o tema foi tratado com preconceito pela chamada bancada evangélica na Câmara. A polaridade dividiu também os presentes na Câmara Municipal na segunda-feira.
O segundo andar do Plenário ficou praticamente lotado. De um lado, o apoio à Appad. Cerca de 40 pessoas acompanharam as discussões, estendendo faixas pedindo respeito e o fim da discriminação. Entre elas, Cecilia de Castro, integrante do Grupo Dignidade, que foi até a Câmara apoiar um movimento semelhante.
Já os contrários à proposição de utilidade pública à Appad estiveram do lado oposto do Plenário, literalmente. Cerca de 80 pessoas, todas seguidoras da Igreja Universal, manifestaram o repúdio ao projeto. Um dos representantes do grupo, o pastor Leandro Bianco mostrou que o discurso evangélico está sincronizado.
Eles dizem que preferem discussões mais importantes na Câmara. E como o projeto causou polêmica, não faltaram as manifestações dos dois grupos. Em diversos momentos, durante os discursos dos vereadores, as pessoas aplaudiam ou vaiavam o orador, e o vereador Tito Zeglin (PDT), que presidiu a sessão legislativa, teve de intervir.
A proposição de utilidade pública à Associação Paranaense da Parada da Diversidade é da vereadora Professora Josete (PT).
Fonte: Jornale - Curitiba

terça-feira, 24 de março de 2009

MG News : Tony Blair diz que a religião é fundamental em política

Os dirigentes políticos, quer tenham fé ou não, têm de ter em conta Deus “se desejarem comprometer-se de forma adequada com o moderno”, escreveu na quinta-feira (19) o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, na revista semanal britânica "New Statesman".Blair, que ao chefiar o Governo evitava falar das suas convicções religiosas, deixou depois disso a Igreja Anglicana e converteu-se ao catolicismo, onde desde o ano passado a leciona “Fé e Globalização” na universidade norte-americana de Yale.
“A fé religiosa e a forma como se desenvolve poderão ter para o século XXI o mesmo significado que a ideologia política teve para o século XX”, escreveu.
“Não compreender o poder da religião significa não compreender o mundo moderno”, acrescentou.
A mesma argumentação foi utilizada no mês passado em Washington, ao declarar na presença do Presidente Barack Obama que a fé deve ser restaurada “no seu devido lugar, como guia do nosso mundo e do seu futuro”.
Convidado por Obama a dirigir o US National Prayer Breakfast, no salão de baile do Hilton Hotel, na capital federal, Blair destacou que o século XXI ficaria “mais pobre de espírito” se não se regesse pela “fé em Deus”.
Tendo conseguido ser recebido pelo novo Presidente dos Estados Unidos antes do seu sucessor Gordon Brown, da chanceler alemã Angela Merkel e de outros políticos europeus, o ex-primeiro-ministro do Reino Unido orou para que “ao atuarmos, façamos a obra de Deus e sigamos a Sua vontade”.
O jornal britânico The Independent falou então de uma autêntica “homília” de Blair sobre fé e religião, que teria caído muito bem numa cidade onde os políticos são muitas vezes vistos em serviços religiosos matinais.
Fonte: Jornal A Hora Online

segunda-feira, 23 de março de 2009

EXPOCRISTÃ (São Paulo) processa EXPOCRISTO (Curitiba) e perde, confira entrevista exclusiva

Por Renato Cavallera

Durante quatro anos foi travada uma batalha jurídica entre as duas maiores feiras cristãs do Brasil, a EXPO CRISTÃ (situada em São Paulo, também com versão no Rio de Janeiro chamada Rio Cristã) e a EXPOCRISTO (situada em Curitiba no Paraná e com proposta para se estender para Campo Grande no Mato Grosso do Sul).
A EXPO CRISTÃ requeria os direitos sobre a marca EXPOCRISTO e consequentemente o fechamento da feira, isso devido a patente da EXPO CRISTÃ já ter sido requerida e por terem nomes e finalidades semelhantes.
Por outro lado a EXPOCRISTO teve seu nome criado e sua feira iniciada antes mesmo da EXPO CRISTÃ obter a patente do nome, na época, a feira paulista se chamava FICOC, porém, a feira curitibana ainda não havia requerido a patente para seu nome.
Devido a essa soma de fatores as duas maiores feiras Cristã voltadas para o comercio e entretenimento Cristão se enfrentaram na justiça por quatro anos, longe dos olhares do público Cristão que por todo esse tempo frequentou as referidas feiras sem ao menos saber o que acontecia por trás delas.
A briga judicial resultou em algumas “farpas” entre a organização das duas feiras, chegando ao ponto em que a diretoria de uma ter sido convidada a se retirar da feira “concorrente”.
O processo foi finalizado neste meio do mês de Março de 2009. Após a EXPO CRISTÃ perder duas instâncias, o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) concedeu oficialmente e definitivamente a patente de EXPOCRISTO para a feira de Curitiba.
Procurada pela redação do
Gospel+, Marisa Lobo, coordenadora geral da EXPOCRISTO, concedeu uma entrevista exclusiva falando a respeito do processo, como foi a tramitação, sua opinião e como ela será agora que a vitória na justiça está confirmada.
Você pode conferir está entrevista abaixo e em seguida a documentação que comprova a oficialização da patente da marca EXPOCRISTO para a feira curitibana:
Porque a ExpoCristã decidiu processar a EXPOCRISTO?
O que os motivou realmente não sabemos. O processo aconteceu em 2006, eles pediram tutela antecipada da marca EXPOCRISTO, proibindo nossa feira de existir, nós saímos da EXPOCRISTO aquele ano com pouca inadimplência, mas tínhamos algumas dívidas, cheguei em casa e lá estava a notificação, proibindo a nossa feira de existir e dando um prazo de 10 dias para defesa, consultei a empresa que cuidava de nosso pedido de marca, e eles cobrariam 10 mil reais para defesa, não tínhamos, ajoelhei no chão e disse para Deus que se a feira fosse vontade absoluta Dele então que fizesse o milagre de nos arrumar um advogado, porque não tínhamos como pagar, na hora o telefone tocou era uma amiga minha, contei a situação ela me levou ate seu noivo que era nada mais nada menos que um Juiz aposentado que estava advogando, Dr. Noedir Bittencourt, ele pegou a causa e está nos defendendo até hoje, enfim ganhamos a causa em 1ª e 2ª estância , conforme documento o INPI deu este ano a marca EXPOCRISTO, para nossa empresa.
Como vocês se sentiram? Chegaram a pensar em desistir do evento?
Humilhados e traídos, pois nesta feira de 2006 um vendedor da Expo Cristã – Jorge era o Nome , esteve nos visitando, foi tratado como um rei, vendeu sua feira, visitei a nossa feira com ele , me convidou para ir até são Paulo fazer o mesmo, fiquei feliz, e me surpreendi porque deu uma entrevista em vídeo, elogiando nosso trabalho, era a 2ª edição, nos sentimos lisonjeados, depois veio a noticia assim que cheguei em casa notificação extra-oficial e o conteúdo do processo, era difamador não merecíamos isso, eles não nos conheciam, nos condenaram sem ao menos nos conhecer e saber da nossa historia.
Como surgiu o nome EXPOCRISTO?
Bom, quando resolvi fazer a feira literária e fonográfica cristã, a feira do consumidor cristão EXPOCRISTO, não conhecíamos feira alguma deste gênero, apenas os Gideões que é o maior evento Cristão do mundo, eu trabalhava como apresentadora na rede Record /PR., era promoter recém convertida (3 anos) fazia eventos grandes para prefeitura, resolvi largar tudo e trabalhar para Deus, era normal colocar minha experiência secular em prática no reino, contei para o meu pastor o meu desejo de fazer uma feira com produto cristãos, ele ficou feliz achou uma grande sacada, começamos colocar o projeto em pratica até que um pastor chamado Alex da IEQ , me falou da feira de São Paulo a FICOC, quando fomos em 2004 na FICOC, já levamos material da EXPOCRISTO. Um amigo meu e do meu marido chamado Leomir, foi quem deu esse nome, na brincadeira, estávamos procurando um nome - isso foi em 2004 - no mês de fevereiro, não pedimos a patente neste mês porque não tínhamos dinheiro mesmo e nem tinha muito conhecimento nesta área confesso, registramos apenas o site, mas em seguida em outubro de 2004 pedimos junto ao INPI a marca EXPOCRISTO e o INPI aceitou.
Porque o processo correu em silêncio, sem que nenhuma das partes divulgasse ao público o que estava acontecendo?
Da nossa parte por questão ética e porque estávamos esperando a decisão da justiça, e Deus estava julgando nossa causa, agora , eles não ficaram tão quietos assim, porque muitas empresas sabiam da pior maneiras possível, alguma empresas nos desprezavam por isso, agüentamos mudos, orando e trabalhando.
E agora com a vitória, como está a organização do evento depois desses 4 anos de luta na justiça?
Uma benção, Graças a Deus, matando um gigante por dia (risos), mas Deus tem nos honrado. Não é fácil, confesso, para ninguém fazer uma feira como esta, ainda mais tendo a cada dia que conquistar a credibilidade de pessoas que por influência deste processo nos acusaram, mas o sul (do Brasil) é maravilhoso, o Paraná a prefeitura de Curitiba tem nos apoiado, assim como os pastores e temos a melhor defesa, a verdade, Deus é nossa direção, enquanto estivermos na visão do Senhor, não temos medo de nada, porque se Deus é por mim, quem será contra mim? Essa não é só mais uma feira é nosso ministério, doamos estandes para ONGs, apoiamos artistas independentes, já somos referência - graças a Deus - no sul e no Brasil, por causa da nossa maneira de trabalhar. Não agradamos todos, é fato, mas a maioria com certeza, quem vem para EXPOCRISTO com Espírito não só comercial e sim de evangelismo também, sem esquecer do propósito de Deus para suas vidas, vende sim, e é muito abençoado.
A EXPOCRISTO pretende de alguma forma processar a ExpoCristã?
Olha, realmente não sei , estamos pensando, mas se ganhamos na justiça em1ª e 2ª estância, se o INPI já deu nossa marca e ninguém pode tirar… Sofremos muitas humilhações tivemos prejuízos, e as palavras foram muito pesadas, depois todo mundo ficou sabendo, muitos nos criticando, perdemos clientes chorei muito… e sem dever nada.
O que fariam?? Eu queria mesmo, é convidar o Berzin (idealizador da ExpoCristã), para vir palestrar em minha feira, porque acho ele um empreendedor especial, creio que o reino de Deus ganharia muito mais com isso..
É verdade que a equipe da EXPOCRISTO foi convidada a se retirar da ExpoCristã 2007? Como aconteceu?
É verdade , meu marido e eu pessoalmente em 2006 e 2007 fomos convidados a nos retirarmos por seguranças, nós estávamos conversando com alguns clientes nossos, fechando estandes como fazem todas as feiras, é pratica normal, como fizeram eles em nossa feira em Junho de 2006 - temos vídeos para provar- e com nossa aprovação. Uma pessoa de sua equipe desacatou meu marido pedindo para se retirar, ele parou de fazer contatos mais eu não, continuei, andavam atrás de mim, pedi para conversar com a diretoria para pedir permissão, infelizmente ninguém quis nos atender, mas o Jorge (vendedor) tinha me autorizado, a partir do momento que esteve em nossa feira como falamos achei que não teria problemas, nos chamaram até de “caras de pau”, mas tinham outros eventos fazendo a mesma coisa, não aceitei preguei para essas pessoas da equipe, que me pediu desculpas e me deixou em paz .
Quais são as novidades da EXPOCRISTO para esse ano?
Continuamos na mesma visão, desde o inicio de apoiar missões, artistas independentes, ONGs, fazermos evangelísmo, além de claro: trabalhar bastante para abençoar as empresas que confiam em nosso trabalho. Por causa desta crise, estamos fazendo parcelamento em 12 vezes no cartão de crédito, este ano vamos fazer a campanha de doação de medula óssea, pretendemos bater records de doação e estamos pedindo as empresas que façam bastante promoções, estamos trazendo para pregar os Pastores: Dr Silmar coelho, Jorge Linhares, Marcus Gregório, Oséias Gomes, Thiago Coelho, Sergio de Castro e Pr Marco Feliciano, além de mais de 30 ministérios, entre eles Toque no Altar, Cristina Mel , Crhis Duran e muitos outros também de renome. A feira tem movimento cultural de manhã até as 23 horas, quanto a entrada, até as 16 horas é franca - trazendo um alimento - após esse horário cutará R$ 5 reais, incentivando caravanas de outros estados, e do interior do Paraná. O estacionamento será gratuito, pastores e lojistas tem crachás.
Algum recado para os visitantes, expositores e organizadores da ExpoCristã e/ou ExpoCristo?
Deus é quem manda em nossos ministérios e Deus é bom e justo, devemos fazer de nossas empresas e ministérios, uma poderosa arma de evangelismos e sermos fiéis a Deus, se isso não acontecer estamos fadados ao fracasso, tem muita empresa falindo porque não é fiel, anda com suas próprias forças, insiste em ações que não agradam a Deus. Para usarmos o nome de Jesus Cristo devemos seguir os seus passos, sempre quando vamos tomar uma atitude devemos nos perguntar se ela agrada a Deus, se não agrada a Ele então jamais nos fará bem, aos visitantes que venham conhecer nossa humilde feira que ano passado reunião cerca de 50 mil pessoas, de todos os cantos do Brasil, e curtir o inverno desta cidade maravilhosa, turística que é Curitiba. E para os organizadores da Expo Cristã, “ é importante que homens de Deus vivam em união” e que fiquei feliz por estar tudo acabado, porque ficava muito triste em não poder explicar que não nos aproveitamos deles não, e que oramos e declaramos que todas as feiras do Brasil e do mundo pertencem ao senhor Jesus e nós que resolvemos coordenar esses eventos somos servos para abençoar ministérios, empresas e fazer a vontade do Senhor. Pode ser muito espiritual isso que digo, mas é assim que acredito ter que ser uma empresa que usa o NOME DE DEUS PARA TER SEUS GANHOS.

Fonte: Gospel+

MG News: Líder cristão vietnamita está impedido de sair do país

VIETNÃ - O Dr. Paul Ai Tran, líder cristão vietnamita altamente perseguido, causador de grande frustração às autoridades comunistas por causa de sua igreja, deportado para os Estados Unidos em 1999, está preso na cidade de Ho Chi Minh, antes conhecida como Saigon.
Seu amigo próximo, Bruce Sonnenberg, diretor executivo e fundador da He Intends Victory disse que “Paul está em um hotel, preso na cidade, e é vigiado constantemente por dois policiais aonde quer que vá. Ele pode visitar os amigos e familiares, mas é observado 24 horas por dia.
“Agora, Paul é um cidadão americano, e tem visto de turista para voltar ao Vietnã. Eles não podem fazer nada a ele, mas querem tornar as coisas mais difíceis.
O que estão dizendo é ‘Se você quiser vir para o Vietnã, pode vir, mas não irá embora enquanto não dissermos’. Estão brincando com ele, e acredito que o soltarão assim que se cansarem da situação.
”Sonnenberg continua: “A razão pela qual Paul não escolhe ficar na casa de um familiar em Ho Chi Minh é que os policiais interrogariam suas irmãs. Ele recebeu a opção de ficar em um hotel e facilitar as coisas para sua família.
A polícia devolveu o passaporte dele, mas ainda não permitiram que ele deixe o Vietnã”.“Talvez eles o liberem na próxima terça-feira, 24 de março.
Paul queria ir para Da Nang e Hanoi, mas se ele puder ir embora, irá direto para Singapura e Malásia.
”Ao falar com Sonnenberg pelo telefone, Tran disse: “Não se preocupe comigo. Estou seguro nos braços de um Deus poderoso, muito mais poderoso que qualquer governo”.
Alguns pastores vietnamitas foram visitar Paul no hotel em que está. “Esses jovens pastores vietnamitas são muito corajosos, mais do que eu quando era recém-convertido. Eles não têm medo da polícia.
Essa próxima geração de cristãos no Vietnã é dinâmica e agradeço a Deus por eles. Isso me dá esperança para o futuro do cristianismo no país”, diz Paul.
“Perguntei para Paul se os guarda-costas já aceitaram a Cristo, e ele disse: ‘Quase! Estamos chegando perto!’, afirma Sonnenberg.
O Dr. Paul Ai Tran ficou preso por 12 anos no total, por pregar o evangelho de Cristo. Em dezembro de 1999, Paul, Ruth e seus cinco filhos foram expulsos de seu país e se mudaram para Hampton, Virgínia, onde agora servem a Cristo com a Outreach International.
Paul foi para o Vietnã visitar sua família e cerca de 350 pastores que o consideram seu líder.


Tradução: Deborah Stafussi
Fonte: Portas Abertas

domingo, 22 de março de 2009

MG News - A farsa da comparação do DNA do homem com o do chimpanzé

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; - Gênesis 1:26a
Tem sido veiculada, nos últimos tempos, até com uma certa insistência pela mídia, a informação de que o DNA do homem e do chimpanzé diferem, em conteúdo, apenas por uma pequena margem de 2%, e que isto seria uma prova incontestável de que homens e chimpanzés teriam evoluído a partir de um tronco comum em tempos mais recentes.
Veja, na figura abaixo, a informação a esse respeito publicada pela revista ISTOÉ de 02 de junho de 2004, p. 102.

Será que essa informação a respeito desses DNAs é mesmo verdadeira? E se fosse, esse fato teria mesmo essa amplitude, de modo a permitir a conclusão de que homens e chimpanzés seriam, no contexto da evolução, parentes próximos?
Para entender bem essa questão, precisamos de algumas informações relacionadas com o Projeto Genoma. Lembramos, então, que um genoma é o DNA inteiro de um organismo, incluindo os seus genes, que carregam a informação para fazer todas as suas proteínas. Estas, por sua vez, determinam a sua aparência, como ele combate infecções e, possivelmente, como se comporta.


DNA é constituído de quatro bases: A (adenina), G (guanina), C (citosina) e T (tiamina), que se repetem ao longo de sua estrutura. É a ordem dessas bases que determina se um dado organismo é humano ou de outra espécie, daí o interesse dos cientistas no DNA.
O Projeto Genoma tinha como objetivo identificar os aproximadamente 30 mil genes presentes no DNA humano e determinar a seqüência dos 3 bilhões de pares de bases que o compõem.
Estruturado a partir de dois consórcios laboratoriais, o projeto teve início em 1990 e estava previsto para ser concluído no ano de 2005. Foram necessários, entretanto, apenas 13 anos para que o trabalho fosse concluído.
Este projeto reuniu um número imenso de pesquisadores de vários laboratórios e universidades em cerca de pelo menos 18 países e consumiu, obviamente, muitos bilhões de dólares. Apesar disso, é agora que começa o trabalho maior para entender os resultados obtidos.
É como se tivéssemos identificado todas as letras de um livro, sendo agora necessário entender o que elas juntas significam, isto é, qual a função de cada um desses 30 mil genes e da ordem desses 3 bilhões de pares de bases.
Acontece que faz sentido perguntar de onde vem a conclusão de que o DNA dos chimpanzés coincide com o dos seres humanos em 98% de sua extensão, se um trabalho da magnitude do projeto genoma humano ainda não foi realizado para a espécie dos chimpanzés! De onde vem, então, essa conclusão?
Na verdade, este resultado é uma generalização baseada na similaridade entre seqüências de aminoácidos de umas 30 a 40 proteínas básicas presentes em seres humanos e também nos chimpanzés, por um método que compara apenas essas poucas proteínas, denominado “hibridização do DNA”. No texto da revista ISTOÉ, no início deste artigo, encontramos a informação de que a porção escolhida para comparação entre os DNA’s do homem e do chimpanzés foi o cromossomo 21, responsável por doenças mentais, e o equivalente animal, o cromossomo 22.
Em outras palavras, o genoma humano é conhecido em toda a sua extensão, mas o dos chimpanzés não. Como pequenas partes do DNA dos chimpanzés já foi pesquisada, os cientistas comparam essas pequenas porções com porções análogas do DNA humano, extrapolando o resultado obtido para os DNAs em toda a sua extensão.
Naturalmente, essas porções de DNA terão que apresentar alguma semelhança não só com chimpanzés, como também com outros animais que ingerem o mesmo tipo de alimento e, portanto, devem ter enzimas digestivas muito semelhantes, bem como outras particularidades, o que não significa que esses valores devam se estender para o restante do DNA e, muito menos, que sirvam de indicação de evolução a partir de um ancestral comum.
Esse tipo de extrapolação é um erro grosseiro dos evolucionistas para fazer valer suas idéias e só mostra que eles precisam conhecer melhor os métodos de que a ciência se vale para caminhar, sobretudo a matemática, na parte de estatística e teoria de probabilidades.
Proceder desse modo é como equivalente a consultar uma pequena parcela da população a respeito de alguma preferência, e depois estender o resultado obtido para a população toda, o que, obviamente, não tem o menor fundamento científico.
Apesar disso, não são os mais leigos em ciência que cometem esse tipo de erro, mas cientistas conceituados, que depois publicam seus artigos em revistas especializadas, como a New Scientist, que trouxe esse assunto até como matéria de capa, com o artigo “Genesis - The one percent that made us human” (Gênesis - O 1% que nos fez humanos) em sua edição de n° 2186, de 15 de maio de 1999. Como podemos explicar esse comportamento? Certamente não a partir de uma suposta desinformação, ou de falta de conhecimento. Afinal, para se chegar aos escalões mais altos da ciência é preciso percorrer um longa jornada de estudo e pesquisa. Só mesmo a determinação de validar a teoria da evolução é que pode explicar esse comportamento, uma vez que evidências da evolução não podem ser encontradas na natureza.
Na verdade, a situação é ainda mais crítica, porque mesmo que a diferença entre os DNA’s do homem e dos chimpanzés fosse de apenas 2%, isso não significaria ancestralidade de uma espécie em relação a outra. Similaridades, sejam elas no campo da anatomia ou da genética molecular, não provam evolução alguma ou ancestralidade de uma espécie em relação a outra.

Evolucionistas sabem disso e a prova é o conceito de evolução convergente, desenvolvido para explicar similaridades que eles supõem terem ocorrido independentemente, e não por uma relação de ancestralidade entre as espécies envolvidas.
Além disso, similaridades são confortavelmente absorvidas também pelo modelo criacionista, de modo que, se forem citadas como evidências do modelo evolucionista, terão que ser citadas também como evidências do modelo criacionista, em nada contribuindo, portanto, para a solução do confronto entre o evolucionismo e o criacionismo.


O Prof. Christiano P. da Silva Neto é professor universitário, pós-graduado em ciências pela University of London, estando hoje em tempo integral a serviço da ABPC - Associação Brasileira de Pesquisa da Criação, da qual é presidente e fundador. Autor de cinco livros sobre as origens, entre os quais destacam-se Datando a Terra e Origens - A verdade Objetiva dos Fatos, o Prof. Christiano tem estado proferindo palestras por todo o país, a convite de igrejas, escolas e universidades.
Fonte:
http://www.impacto.org.br/m03001.htm

sábado, 21 de março de 2009

MG News : Vítimas de desabamento querem processar a Igreja Renascer

Sobreviventes e parentes das vítimas do desabamento do teto da sede internacional da Igreja Renascer em Cristo,em São Paulo, se preparam para mover ações contra a igreja. Entre os fiéis, no entanto, nem todos questionam a igreja.
A família da aposentada Luíza da Silva, de 62 anos, responsabiliza a direção da igreja pela morte da fiel e reclama da pressa para a reconstrução da nova sede. "Eles (dirigentes) vão reconstruir uma igreja nas costas do povo.
Não vou deixar barato", desabafa a operadora de telemarketing Maria José da Silva, de 54 anos, sobrinha da vítima.
Maria afirma que a tia frequentou os cultos da Renascer por 14 anos, recebia um salário mínimo e mantinha doações mensais superiores a R$ 130. "Ela era fervorosa, praticamente uma beata", lembra a sobrinha.
Segundo Maria, desde que o jogador Kaká fez uma doação de 200 mil euros para a igreja no ano passado, Luíza se viu incentivada a lançar um grande desafio em nome da fé: juntar R$ 10 mil para doar à Igreja (além da contribuição mensal).
A fiel chegou a economizar R$ 3 mil.
Embora a igreja tenha arcado com as despesas do funeral da tia, Maria diz que, no velório, pastores especularam sobre os bens deixados pela aposentada e chegaram a perguntar se a vítima havia deixado algo para ser doado à Igreja. "Sabiam que ela era sozinha e não tinha filhos nem marido", disse.
Para Maria, os raros contatos com os representantes da Igreja desde a morte da tia eram tentativas de convencer a família a evitar uma ação civil. "Eles queriam que a gente não entrasse com a ação", afirma.
A ex-professora Olga Donoso, de 59 anos, sobrevivente do desabamento, está decepcionada com a Renascer. Olga, que era amiga de Luíza, é uma das testemunhas do desabamento parcial do teto da Igreja no dia 14 de janeiro, quatro dias antes da tragédia que matou nove e deixou mais de 100 feridos. Pedaços de gesso da estrutura caíram sobre ela e outro fiel, mas só causaram leves escoriações.
Ela diz que o incidente aconteceu durante um culto liderado pelo deputado federal Geraldo Tenuta Filho, conhecido como bispo Gê. Segundo Olga, no dia seguinte um advogado da igreja ligou para saber sobre seu estado de saúde. "Achei estranho o advogado ligar", comentou.
No domingo (18 de janeiro), ao entrar na sede, Olga percebeu que a parte que cedeu dias antes não havia sido consertada. "Ninguém tinha feito nada, o buraco no teto ainda estava lá. Pensei comigo: será que tem perigo de cair?", conta. Vítima pela segunda vez, Olga teve traumatismo craniano, luxação no pé direito e o pé esquerdo teve de ser totalmente reconstruído. Ela segue em recuperação, numa cadeira de rodas, sem previsão de voltar a andar.
Empresa
De acordo com a ex-professora, a igreja ofereceu ajuda de uma psicóloga para seu filho (que se revoltou depois que um pastor teria se negado a testemunhar sobre o primeiro acidente) e alguém para auxiliá-la nos afazeres domésticos.
A família ainda tentou pedir ajuda financeira à igreja, mas como havia uma grande fila no local anunciado e muitos tiveram seus pedidos negados, conta Olga, a família preferiu entrar com uma ação judicial e só aguarda o término do inquérito para oficializar o processo.
"A Renascer é uma empresa e vai responder como empresa", afirma.
Após mais de 10 anos frequentando os cultos da Renascer, Olga se sente desgostosa com a igreja. Para ela, houve negligência e imprudência.
"Eles não poderiam ter falhado nessa parte. Eles ganham dinheiro, damos sempre dízimos para suprir as necessidades da igreja.
Deveriam cuidar da nossa segurança dentro da igreja porque nunca falhamos com eles", reclamou.Entre os fiéis, no entanto, nem todos questionam a igreja.
A dona de casa Elisete Cunha, de 50 anos, uma das sobreviventes do desabamento, voltou a frequentar os cultos, promovidos agora em um local próximo da estação Bresser do Metrô.
"Estamos chateados pela perda do templo, das pessoas, não com o pessoal da igreja. Para mim foi uma fatalidade", diz.
Membro da Igreja há cinco anos, ela não cogita mover ação contra a Renascer e já aderiu à campanha para construção da nova sede. "O templo era minha casa. Se a sua casa caísse, você não reconstruiria?", questiona. Elisete não quis revelar o valor de sua doação, mas está ansiosa para ver o novo templo. "O quanto antes (reconstruir), melhor."

Fonte: Agência Estado

MG News : Apóstolo Estevam Hernandes diz em vídeo ter previsto tragédia

Em um vídeo de 9 minutos e 55 segundos, carregado de apelo dramático, o apóstolo Estevam Hernandes Filho afirma ter previsto, um dia antes, o acidente na sede internacional da Renascer, no Cambuci, zona central da capital paulista, durante a abertura do jejum de Davi.
"Deus me deu uma visão poderosa nesta oração e me mostrou coisas que estavam escondidas por trás de grandes tapumes e que eram correntes que tinham amarrações", diz.
"Os tapumes derretiam enquanto orávamos, os tapumes eram consumidos por fogo e aparecia um mundo infinito."O desabamento do telhado da sede aconteceu no dia 18 de janeiro e deixou nove mortos e mais de 100 feridos. Hernandes compara a tragédia à vida do rei Davi, que teve de aguentar muitos anos de perseguições e provações para ascender ao trono de Israel.
"Assim como Davi, vamos renascer das cinzas", enfatiza.A assessoria de imprensa do Ministério Público (MP) disse que está aguardando o julgamento do mérito da ação em que o MP pediu o fechamento de todos os templos da Renascer no País - a igreja possui cerca de 1,5 mil templos espalhados pelo Brasil.
O julgamento vai ocorrer na 2ª Vara da Fazenda Pública, em São Paulo.
O delegado Dejar Gomes Neto, da 1ª Seccional, disse que 114 pessoas foram ouvidas nas investigações e que aguarda laudo do Instituto de Criminalística (IC) para dar andamento no inquérito.

Fonte: Agência Estado

sexta-feira, 20 de março de 2009

Quase o Apocalipse começou! - Asteroide passa pela Terra 7 vezes mais perto que a Lua

da Efe, em Sydney

O asteroide DD45, que possui entre 30 e 40 metros de diâmetro, passou na segunda-feira a 60 mil quilômetros do sudeste do Pacífico, uma distância sete vezes mais próxima ao planeta do que em relação à distância entre ele e a Lua, para surpresa dos astrônomos --que não esperavam que o meteorito se aproximasse tanto da Terra. A informação foi dada nesta quarta-feira (4) pela imprensa australiana.
"Nenhum objeto desse tamanho ou maior foi observado tão perto da Terra", disse Rob McNaught, cientista do observatório australiano de Siding Spring.
O 2009 DD45 é o asteroide que mais se aproximou da Terra desde 1973, segundo o astrônomo Peter Brown da Universidade de Ontário, no Canadá, e tem tamanho similar ao que arrasou 2 mil quilômetros quadrados de floresta na Sibéria em 1908.
McNaught, contratado pela agência espacial americana (Nasa), detectou o 2009 DD45 na sexta-feira à noite e determinou que não atingiria a Terra em sua trajetória "por pouco".
Cerca de mil asteroides foram classificados como potencialmente perigosos em sua passagem pela Terra ao longo da história.
Segundo McNaught, a probabilidade de que um meteorito de mais de um quilômetro de diâmetro impacte contra a Terra é de uma em cada vários milhões de anos. Já a possibilidade de que um de menor tamanho atinja o planeta, mas com capacidade de pôr em perigo uma cidade inteira, é de "uma em cada 100 anos".






Zagueiro causa polêmica na Itália ao afirmar que homosexualismo é pecado


Por Renato Cavallera
O zagueiro Nicola Legrottaglie, da Juventus, causou polêmica ao lançar sua autobiografia, entitulada “Fiz uma promessa”.
Em um dos trechos controversos do livro, o jogador, evangélico, afirma que o homosexualismo é pecado. “Hoje se vê a homosexualidade como uma moda, uma maneira de ser ‘do contra’. Mas na bíblia está claro que tanto a masculina quanto a feminina são pecado. Mesmo assim, as reuniões que fazemos também estão abertas a eles”, declara o italiano.
Ao longo da obra, Legrottaglie revela ainda que acredita na importância da castidade e de preservar o corpo e aconselha os gays, “como heterosexual e cristão”, a lerem a bíblia.
O zagueiro também provoca discussões ao escrever sobre outras religiões.
Ao comentar o fracasso de sua negociação com o Besiktas, da Turquia, ele declara: “Tinha consciência que o ambiente alí podia ser hostil à minha crença espiritual e me repetia: ‘Por que, senhor, quer me mandar aos muçulmanos? Deus estava trabalhando por mim”.
Legrottaglie já havia gerado comentários negativos ao dizer que Israel estava “Pagando as consequências de ter ofendido a Deus depois de ter sido o povo escolhido”.
Na época, o atleta teve que se retratar pelas suas declarações.
Fonte: ESPN

quinta-feira, 19 de março de 2009

MG News : Cientista britânico prevê catástrofe mundial em 2030

O aumento da população mundial e das demandas por água, energia e alimentos poderão provocar uma "catástrofe" em 2030, segundo previsões do principal conselheiro científico do governo britânico.
John Beddington descreveu a situação como uma "tempestade perfeita", termo usado quando uma combinação de fatores torna uma tempestade que, por si só, não teria tanto efeito, em algo muito mais poderoso.
A analogia também é usada para descrever crises econômicas.Segundo Beddington, com a população mundial estimada em 8,3 bilhões de pessoas em 2030, a demanda por alimentos e energia deve aumentar em 50%, e por água potável deve aumentar em 30%.
As mudanças climáticas devem piorar ainda mais a situação, vai advertir o cientista nesta quinta-feira, na conferência Desenvolvimento Sustentável RU 09, em Londres.
Complacência
"Não vai haver um colapso total, mas as coisas vão começar a ficar realmente preocupantes se não combatermos esses problemas", afirma Beddington.
Segundo ele, esta crise por recursos vai ser equivalente à atual crise no setor bancário."Minha principal preocupação é com o que vai ocorrer internacionalmente, vai haver falta de alimentos e de água", prevê o cientista."Nós somos relativamente sortudos no Reino Unido; pode não haver falta, mas podemos esperar um aumento de preço dos alimentos e de energia.
"O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) prevê falta de água generalizada na África, Ásia e Europa até 2025.A quantia de água potável disponível por habitante deve diminuir dramaticamente neste período.
Transgênicos
A questão da segurança alimentar e energia chegou a entrar no topo da agenda política no ano passado, durante a alta do preço do petróleo e de commodities.Segundo Beddington, a preocupação agora que os preços voltaram a cair é de que essas questões saiam da agenda doméstica e internacional.
"Não podemos ser complacentes. Só porque os preços caíram, não significa que podemos relaxar", diz ele.Melhorar globalmente a produtividade agrícola é uma forma de combater o problema, afirma Beddington.
Atualmente, se perdem entre 30% e 40% de toda a produção, antes da colheita, por causa de pragas e doenças.
"Temos que procurar uma solução. Precisamos de mais plantas resistentes a pragas e doenças, e de melhores práticas agrícolas e de colheita", afirma Beddington.
"Os alimentos transgênicos também podem ser parte da solução. Precisamos de plantas que sejam resistentes à seca e à salinidade - uma mistura de modificações genéticas e cruzamento convencional de plantas."De acordo com o cientista, também são essenciais melhorias na estocagem de água e fontes de energia mais limpas.
John Beddington está a frente de um subgrupo de um novo departamento do governo criado para combater a segurança alimentar.


Fonte: BBC Brasil

MG News : Record ataca a Folha e desmente doença de Edir Macedo

O "Jornal da Record" veiculou ontem à noite reportagem em que acusa a Folha de São Paulo de publicar "notícias caluniosas" a respeito da emissora de televisão.
De acordo com a Record, "as informações mentirosas" ocupam o noticiário relativo à cobertura de TV, na coluna "Outro Canal", da Ilustrada.
A reportagem da TV questiona dados publicados pelo jornal sobre a audiência da "Record News" (canal de notícias da rede), e a compra de direitos de transmissões esportivas por parte da emissora.
Entrevistado por telefone pelo "Jornal da Record", o bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e proprietário da Record, negou que esteja com problemas de saúde, conforme informou a coluna de ontem.
Fonte: Folha de São Paulo

quarta-feira, 18 de março de 2009

MG News : Protestantes questionam acordo do Brasil com a Igreja Católica

O Colégio Episcopal da Igreja Metodista apelou ao Senado para que não aprove o acordo entre a Santa Sé e a República brasileira, uma vez que ele fere preceitos constitucionais, como a separação entre Estado e Igreja.
“Reafirmamos o direito da liberdade religiosa como um dos pilares indispensáveis de uma sociedade democrática”, diz pronunciamento dos bispos metodistas, que proclamam a importância constitucional do Estado laico.
Os termos do acordo entre o Brasil e a Santa Sé foram firmados no dia 13 de novembro de 2008 pelo ministro do Exterior do Vaticano, dom Dominique Mamberto, e pelo chanceler brasileiro Celso Amorim, durante visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao papa Bento XVI.
O acordo versa, entre outros, sobre questões econômicas e administrativas da Igreja Católica no Brasil. Carta pastoral do presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), Walter Altmann, entende legítimos e comuns acordos entre Estados.
Mas espera, na medida em que o acordo contenha direitos e prerrogativas para a Igreja Católica, que o governo brasileiro os estenda, com naturalidade, às demais confissões, pois trata-se de preceito constitucional que não pode ser ferido.
A carta pastoral reconhece a seriedade, profundidade e responsabilidade que a Igreja Católica imprime em suas ações em favor da missão no país, “inclusive em aguda percepção da responsabilidade social cristã”.
A IECLB ainda avalia, porém, a substância do acordo quanto às suas conseqüências e repercussões em relação à liberdade de culto, ao ensino religioso nas escolas públicas e ao reconhecimento dos ministros religiosos.“São assuntos que dizem respeito não apenas à Igreja Católica, mas também às demais igrejas.
Nesse sentido, lamentamos que o Acordo tenha sido elaborado, negociado e, por fim, assinado, sem que tivesse havido uma troca de idéias e um diálogo com outras confissões religiosas, bem como com a sociedade em geral”, afirma a carta.
Para ser ratificado, o Acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, assinado pelo governo brasileiro e o Vaticano, precisa passar pelo Congresso Nacional.
O documento tem 20 artigos e trata, entre outros, das isenções fiscais para a igreja e instituições eclesiásticas, indica que a atividade dos religiosos não caracteriza vínculo empregatício, confirma a proibição de livre acesso de missionários às áreas indígenas, obriga sacerdotes estrangeiros a solicitar o visto de permanência no país e estabelece que as igrejas históricas e obras de arte nelas embutidas pertencem também ao Estado brasileiro, e que ambos têm o compromisso de preservá-las.
Fonte: ALC

terça-feira, 17 de março de 2009

MG News: A crise da Igreja Universal: doente, Edir Macedo se sente traído pelo seu sucessor

A Igreja Universal do Reino de Deus está dividida. No momento, atravessa uma crise de comando.
A revista Carta Capital publicou a notícia de que Edir Macedo teria sido traído pelo bispo Romualdo Panceiro (foto a esquerda), a quem escolheu como seu sucessor.
Segundo a revista, Panceiro teria transferido bens da igreja para seu nome. A revista confirmou que Edir Macedo está doente.
Há cerca de três meses, o chefe máximo da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, nomeou o bispo Romualdo Panceiro, o então líder no Brasil, como o seu sucessor mundial. Panceiro mudou-se para a Califórnia, onde vive Macedo, de onde passaria a comandar a igreja, mas mantendo-se próximo ao fundador da instituição. Surpreendentemente, o novo comandante retornou ao Brasil.
Com uma procuração nas mãos passada por Macedo, Panceiro obteve o controle de vários dos mais importantes e valiosos bens da igreja, tornou-se o homem forte e deixou de ouvir o antigo guru, revelam fontes próximas à cúpula da Universal.
O bispo Macedo sentiu-se traído pelo ex-líder no Brasil. No entanto, não teria agora como reverter o poder outorgado a Panceiro. Uma importante funcionária da área administrativa da igreja confirmou que o novo dirigente está fortalecido e “com amplos poderes”.
Procurada para falar sobre a crise, a direção da igreja disse que a informação “não procede” e “é infundada”. “A Universal do Reino de Deus tem em seu corpo a liderança do bispo Edir Macedo”, informou em nota.

Confira a íntegra dessa reportagem na edição impressa da Revista Carta Capital.

Folha de São Paulo:

A notícia de que o bispo Romualdo Panceiro traiu a confiança de Edir Macedo, publicada pela revista "Carta Capital", caiu como uma bomba na Record. Panceiro foi anunciado pelo próprio Macedo como seu sucessor no comando da igreja. Seu preferido agora seria Paulo Roberto Guimarães.
A mudança repercute diretamente na Record porque Guimarães e o também bispo Honorilton Gonçalves, presidente de fato da emissora, não se bicam.
A Universal é o maior "cliente" da Record.
Segundo a "Carta Capital", Panceiro teria transferido bens da igreja para seu nome. A revista confirmou que Edir Macedo está doente.

Fonte: Carta Capital e Folha de São Paulo

Pressupostos da Teologia Liberal

Autor: Matéria extraída de uma ou mais obras literárias.
1) A Bíblia como livro mitológico – A primeira característica da teologia liberal é considerar que a Bíblia é um documento humano, ou seja, não crêem no caráter sobrenatural das Escrituras. Consideram-na um livro igual a qualquer outro, um livro que reproduz a história de Israel (Antigo Testamento) e da Igreja primitiva (Novo Testamento), mas que seriam resultado da cultura e da história, tendo o mesmo valor que outros textos religiosos e mitológicos que têm sido encontrados pelos historiadores.
Trata-se, mais uma vez, de um grande absurdo, pois a Bíblia é, sem dúvida, um livro escrito por homens, ao longo de mais de mil anos de história, mas é uma unidade que ultrapassa as diferenças culturais, históricas e individuais de cada um de seus escritores.
Só o tempo de elaboração da Bíblia e as diferenças brutais dos fatores que cercam a elaboração de cada um de seus livros já mostra que é impossível considerar a Bíblia como um simples livro humano. Bem pelo contrário, a Bíblia revela-se como a Palavra de Deus, na medida em que suas profecias têm se cumprido literalmente (que o digam as profecias a respeito de Jesus, todas comprovadamente anteriores ao ministério terreno de Cristo e que se cumpriram integralmente), bem como em que se percebe uma unidade incrível entre seus mais diversos textos, como, por exemplo, a impressionante complementaridade entre Gênesis e Apocalipse, redigidos num espaço de mais de mil anos, ou entre Daniel e Apocalipse, redigidos num intervalo superior a quinhentos anos.
Como se não bastasse isso, muitas das especulações surgidas através dos críticos bíblicos ou dos teólogos liberais ao longo destes três séculos de influência racionalista no estudo das Escrituras têm sido desmentidas entre si ou cabalmente desmentidas pelas descobertas arqueológicas. Assim, por exemplo, durante muito tempo, muitos teólogos liberais passaram a duvidar da existência histórica do rei Davi (aliás, é comum entre os teólogos liberais colocarem em dúvida a existência desta ou daquela personagem bíblica) ou, quando muito, a achar que Davi não teria passado de um pequeno chefe tribal sem qualquer expressão na Palestina. Entretanto, recentemente, a arqueóloga israelense Eilat Mazar descobriu os escombros do palácio de Davi tal como descrito em II Sm.5:11-12.
Este fato, como outros, mostra claramente que a Bíblia é a verdade, ao contrário das mirabolantes teorias dos teólogos liberais ou que por eles sejam acolhidas.
2) O papel dos apologistas cristãos – É bíblico fazer a defesa da fé. Paulo assim se posicionou: “estes, por amor, sabendo que estou incumbido da defesa do evangelho”( Fp 1:16).
E o Apóstolo Pedro recomendou preparo para explicar as razões de nossa esperança cristã (I Pe 3:13-15).
Faz-se necessário que, a exemplo do que ocorreu nos primeiros séculos da igreja primitiva, levantem-se, hoje, defensores da fé cristã e das Escrituras Sagradas. Como bem diz o ilustre comentarista, faz falta hoje os “apologetas cristãos”, aqueles que, à luz do desenvolvimento da ciência e da filosofia, mostrem, de forma ordenada, organizada e sistematizada, a sublimidade da Palavra de Deus.
A verdadeira teologia não pode temer as ciências e a filosofia.
Estas manifestações racionais têm como missão precípua a busca da verdade. Ora, todos os homens sabem que a verdade é única e, nós, os crentes, sabemos que a verdade é uma pessoa, a saber, Jesus (Jo.14:6). Portanto, não temos que temer coisa alguma.
A teologia parte da verdade, que é a Palavra de Deus. Portanto, a ciência e a filosofia, se estão em busca da verdade, terão de chegar às mesmas conclusões da teologia.
A verdadeira teologia não se opõe à ciência. Quem se opõe à verdadeira teologia não é a ciência, mas a ciência falsa (I Tm.6:20). A verdadeira teologia não se opõe à filosofia, mas as vãs filosofias, que não são firmadas na verdade, é que são opostas à verdadeira teologia (Cl.3:8).
3) CONCLUSÃO
Neste dias de descrença generalizada, de desapontamento com os rumos tomados pela tecnologia e pelo desenvolvimento científico, na desilusão com o progresso, que tem trazido morte ao em vez de felicidade e vida para a humanidade, cumpre a cada servo de Deus, em especial aos estudiosos das Escrituras, continuar a dizer que a solução para o homem somente poderá ser encontrada na Palavra de Deus, o instrumento pelo qual vem a fé salvadora (Rm.10:17). “… A palavra de Deus é doce mais que o mel, o que a toma pela fé, há de ser fiel.
Porque Deus nos concedeu o Emanuel, Rocha viva donde mana leite e mel” (refrão do hino 306 da Harpa Cristã).

Preparado e adptado pelo Presb. João Tocalino.

Deus tolera o aborto em casos extremos, entendem luteranos

Em situações extremas, como a gravidez de menina de nove anos, por estupro do padrasto, em Recife, Deus permite, em sua graça, “opções carregadas de mal”, como o aborto.A compreensão consta no posicionamento divulgado pela direção da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), reunida de 10 a 13 de março, em São Leopoldo. O fato provocou uma ampla discussão na imprensa nacional e internacional em torno da família, da decisão da equipe médica da Universidade Estadual de Pernambuco e da decisão do arcebispo de Olinda e Recife de excomungar a mãe da menina e a equipe médica que a atendeu.
A carta pastoral, assinada pelo pastor presidente da IECLB, Walter Altmann, traz um discernimento ético a partir de uma perspectiva evangélica luterana e expressa a convicção de que “Deus, em sua graça, permite, em situações extremas como essa, opções carregadas de mal – pois o aborto certamente não é um bem – e as acolhe como expressão de um servir responsável ao próximo em necessidade”.
O documento compreende que a autoridade eclesiástica católica tenha imposto “a excomunhão da mãe da criança grávida, que autorizara o aborto, e da equipe médica que o efetuou” e defendido essa decisão com veemência.
A IECLB entende que a “escolha deverá recair então naquela alternativa que, a melhor juízo, preserve os valores da dignidade humana e sirva à vida”.
Sem entender-se como guardadora da moralidade ou responsável pela punição, a IECLB reconhece que os atos de violência sexual contra uma criança, por parte de seu padrasto, devem ser julgados a partir da legislação vigente e punidos pela lei penal brasileira.
No entanto, o seu julgamento deve considerar um contexto maior de violência que existe na sociedade em geral, sem se deixar mover apenas pela ira e pela vontade de vingança, mas criando a possibilidade de suscitar um debate mais amplo sobre a realidade vivida em nosso país.
Sem perder de vista que o criminoso, enquanto criatura de Deus, também está submetido ao juízo divino que, em sua misericórdia, pode transformar sua vida.
A carta revela preocupação com as pessoas envolvidas e com o impacto deste fato na sociedade, por isso insiste na “atenção preponderante devida à criança que é, indubitavelmente, vítima dessa violência, e carecerá por longo tempo de todo apoio médico, psicológico e espiritual que lhe possa ser prestado, para se desenvolver livre de culpas”.
Ela dirige uma palavra de conforto à equipe médica que, atenta aos agudos riscos da gravidez da criança e devidamente autorizada, adotou o procedimento de sua competência.
Enfatiza que os profissionais de saúde não são merecedores de juízos morais e incompreensões que lhes sobrecarreguem as consciências, mas de conforto espiritual nas angústias oriundas de seu trabalho, com vítimas da violência e em risco de vida.
E, por último, dirige um apoio irrestrito à criança e à sua mãe, que autorizou a interrupção da gravidez em sua filha, no centro dessa tragédia, carentes da solidariedade humana e da graça divina.
Fonte: ALC

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails