quarta-feira, 27 de maio de 2009

OMG News : Jornal Nacional apresenta série de reportagens sobre obras sociais de igrejas evangélicas presentes no Brasil

O Jornal Nacional está apresentando esta semana, uma série de reportagens sobre obras sociais de algumas das dezenas de igrejas evangélicas presentes no Brasil. Nesta quarta-feira, o jornal vai mostrar como a vida de moradores de rua está se transformando por causa do trabalho dos metodistas, em um viaduto de São Paulo.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto a população brasileira cresceu 15,5% entre os dois últimos censos, o número de evangélicos dobrou. Hoje, são cerca de 15% dos brasileiros.
Como a maioria católica inclui 73% da população, as obras da Igreja Católica são mais conhecidas. Nesta semana, o Jornal Nacional mostra o trabalho que os evangélicos estão fazendo não só em cidades grandes como o Rio de Janeiro, mas também em comunidades menores, do interior do país, apoiando populações que frequentemente são esquecidas pelo poder público.
A harmonia dos sons vale por uma prece. “O instrumento, a música e o canto têm uma ligação muito íntima com Deus”, afirma o músico Gilberto Oliveira.
Diante da orquestra em um templo da Assembleia de Deus, como ficar de braços cruzados? A Assembleia de Deus é uma igreja brasileira, criada no início do século 20 em Belém do Pará, que tem hoje 8,4 milhões de fiéis espalhados pelo país.São evangélicos de ramo pentecostal, que acreditam no poder do Espírito Santo e usa a música como oração. Música cheia de fervor.
A Sinfonia da Fé tem origem em um projeto que ajuda crianças, jovens e adultos. Gilberto achava que seria técnico em química. Hoje, toca no culto e também na Orquestra Municipal do Rio de Janeiro. “Quando a gente está fazendo música, a gente já sente na pele. Às vezes, a gente fica arrepiado. Quando a gente faz a coisa para Deus e dá aquele arrepio, Meu Deus do céu. Esse, Deus recebeu”, explica o músico.
Nas oficinas da igreja, ele se descobriu como músico de talento. Uma atividade mantida com uma parte do dízimo, das doações que vem dos fiéis. “As pessoas costumam ouvir que a igreja só existe para pegar dinheiro do povo, para enganá-lo.
Os pastores são tidos como charlatões, pegadores de dinheiro. Mas ninguém vê os acontecimentos sociais que a igreja promove”, afirma Nelson dos Anjos, pastor da Assembleia de Deus.
A origem das igrejas evangélicas está no distante Século 16, na decisão de homens como o monge Martinho Lutero e o teólogo João Calvino, em romper com a Igreja Católica. O primeiro por não concordar com o pagamento das indulgências, a possibilidade que existia, na época, de comprar o perdão divino. O segundo por querer uma grande reforma na organização dos ritos católicos.
O movimento é conhecido como Protestantismo, de onde derivam a imensa maioria dos evangélicos de hoje. “Com o Lutero, você vai ter toda uma nova teologia muito calcada na interpretação, na leitura da Bíblia. Você tem que assumir para você que está tudo ali na Bíblia.
As suas orientações estão na Bíblia para a sua vida”, declara a socióloga Maria das Dores Machado. E está lá escrito: a missão dos cristãos é divulgar a palavra de Deus mundo afora.
Os presbiterianos foram para Dourados, no Mato Grosso do Sul, em 1928, para levar o Evangelho, com autorização da Funai, para a maior aldeia do Brasil.
A Igreja Presbiteriana tem origem no Século 16, está no Brasil desde 1859 e tem hoje 980 mil fiéis. É conhecida por reforçar os valores éticos e morais.
Na missão Caiuá, um hospital só para eles. Também uma escola, com ênfase evangélica. Em meio à disputa por terras na região que já dura décadas, o preconceito afastou brancos e índios e dividiu a tribo. Hoje, são dois caciques e nenhum pajé, o líder espiritual. O último morreu há cinco anos. Os chocalhos sagrados dos rituais criaram teias de aranha.
Agora, as doenças são tratadas só no hospital da missão. Na cidade, os índios ainda não são bem recebidos.
“A discriminação e o preconceito são muito fortes”, afirma uma índia.
Na escola indígena, os mais velhos tentam não deixar a cultura morrer.
Na escola da missão, as aulas dos brancos funcionam como reforço, como ferramenta para entender e transitar no mundo dos brancos. “Quando você pode ensinar uma criancinha que está ao seu lado, quando você pode curar a ferida de alguém está sofrendo no hospital.
Todos esses gestos não são simplesmente de um profissional que está fazendo, mas alguém que tem o ideal de servir e que gostaria, através daquele gesto, alcançar a grandeza e o amor de Deus no seu coração”, afirma Benjamim Bernardes, reverendo da Igreja Presbiteriana.
O reverendo Benjamim sabe que, para tudo isso dar certo, uma barreira tem que cair. Afinal, são evangélicos americanos, de língua inglesa, no Brasil da língua portuguesa, trabalhando com índios que falam o caiuá.
Um dos maiores desafios dos missionários foi tentar entender a língua dos índios para poder falar de igual para igual com eles.
Mas os religiosos foram além. Conseguiram registrar pela primeira vez, por escrito, a gramática da língua kaiwá. Ainda produziram um livro. De texto estranho, sagrado.
É a Bíblia feita para os índios e escrita na língua deles. “Deus me chamou para isso”, conta a missionária inglesa Audrey Taylor. É o trabalho de uma vida. Audrey começou decifrando gestos e ruídos. Agora, divulga o Evangelho sem precisar de tradução simultânea. “Eles têm mais valor do que eles pensavam que tinham.
A língua está escrita e Deus falou com eles através da Bíblia, na própria língua”, esclarece Audrey. “Eu gostei da parte onde diz que Deus não quer que nenhum dos pequeninos se perca. Assim como ele amou a ovelha perdida, ele ama a todos igualmente.
A missão trouxe uma nova realidade para uma comunidade indígena, uma outra vida”, revela o índio caiuá Natanael Cárceres. Ensinar, aprender, proteger e ajudar.
Na missão evangélica encravada no cerrado, são os próprios índios os primeiros a reconhecer: “Foi Deus que mandou a missão, tanto os caciques, os rezadores falam disso também. Se não fosse Deus, o caiuá estaria reduzido, muito reduzido, porque nós íamos morrer tudo", avalia a índia caiuá Valdelice Veron.
“Todos nós podemos fazer algo, por mais simples que seja, desde que haja no nosso coração o desejo sincero de poder servir ao próximo”, conclui Benjamim Bernardes.
Na quarta-feira, você vai ver como a vida de moradores de rua está se transformando por causa do trabalho dos metodistas, em um viaduto de São Paulo.
Fonte: Site do Jornal Nacional

terça-feira, 26 de maio de 2009

OMG: União de Blogueiros evangelicos fazem abaixo assinado com Nota de Repúdio ás colocações eclesiofóbicas do Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc

A UBE Blog - União de blogueiros evangélicos com mais de 6 mil associados publica uma carta de repúdio contra o preconceito para com os evangélicos, que chamamos hoje de falta de democracia. Pois nessa chamada democracia, devemos aceitar a posição dos outros, mas não podemos ter nossa opinião, por que é preconceito.
Nota de Repúdio
Ao discurso do Ministro do Meio Ambiente Carlos MincA União de Blogueiros Evangélicos, neste ato representada pelos associados abaixo assinados, vem, mui respeitosamente, repudiar publicamente a atitude do Excelentíssimo Ministro do Meio Ambiente, sr. Carlos Minc, que, no dia 18 de maio de 2009, durante discurso no Palácio Guanabara, em São Paulo, afirmou o seguinte: "Tem alguns momentos em que a Igreja erra feio.
Um deles é a questão da camisinha. Se a gente fosse atrás da Igreja, quantas pessoas não estariam doentes? Outra questão é a da homofobia. Como é que uma religião pode dizer que é fraterna e solidária com todos se pressiona os parlamentares a não aprovarem a lei que criminaliza a homofobia?"; e ainda completou: "Quem se opõe à aprovação dos projetos que criminalizam a homofobia é corresponsável pela multiplicação dos crimes que nada têm de fraternos e solidários".
Como que fornecendo o corolário para a discussão do problema, conforme as agências noticiosas, o ministro também forneceu o emblemático número de três mil crimes por homofobia, nos últimos dez anos no Brasil.
Sobre o desastroso pronunciamento do sr. Ministro, a UBE entende:
1) Que o Ministro pode e deve se manifestar no exercício democrático do seu juízo. Inclusive, discordando da posição da Igreja e dos cristãos de uma forma geral; afinal, a livre manifestação do pensamento é garantia assegurada pela Carta Magna em seu art. 5º, inciso IV. Garantia essa que, ironicamente, o PLC 122/2006 pretende acabar a pretexto da tipificação criminal da homofobia..
2) Que o Governo Federal, representado naquele ato pelo então Ministro, enquanto Poder Executivo do Estado brasileiro, deve zelar para que todos os cidadãos tenham seus direitos resguardados em consonância com os dispositivos legais vigentes, de maneira isonômica e justa, independente de sua cor, raça, sexo, opção sexual e religião, conforme estabelece o artigo 5º, caput, da Constituição Federal, o qual estabelece que "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes".
3) Que o sr. Ministro acabou por atacar frontalmente todas as igrejas e entidades religiosas que se opõem a tais projetos legislativos, responsabilizando-as levianamente por aquilo que ele denomina de "multiplicação dos crimes que nada têm de fraternos e solidários". Entidades essas que, inclusive, estão inseridos os milhares de blogueiros evangélicos que assinam virtualmente a presente nota de repúdio;
4) Que, da maneira infeliz e irresponsável como foi feito, o pronunciamento evoca uma separação de grupos sociais, de modo a suscitar uma luta de classes entre aqueles que são contrários e aqueles que são favoráveis aos projetos de lei de criminalização da homofobia. Luta esta inexistente, uma vez que nenhuma igreja aqui representada assassinou, instigou ou colaborou para que gays, lésbicas e simpatizantes sofressem qualquer tipo de violência; muito menos incita ou incitou ódio contra os homossexuais.
5) Que o simples fato de apoiar ou não apoiar determinado projeto legislativo não significa necessariamente incentivo a um certo comportamento social; principalmente quando esse comportamento é maléfico para a sociedade. Com efeito, ser contrário à aprovação dos projetos que criminalizam a homofobia não é o mesmo que incitar o ódio ou a violência contra os homossexuais. Absolutamente. Afinal, se essa for a lógica padrão, concluiríamos também que o sr. Ministro é incentivador do uso de drogas, notadamente da maconha, isso porque, recentemente, ele mesmo participou de ato público onde pedia – aos gritos - a descriminalização do uso da maconha.
Portanto, se essa idéia estiver correta, o sr. Carlos Minc é também "corresponsável pela multiplicação dos crimes que nada têm de fraternos e solidários" originados a partir do uso da maconha (furtos, roubos, homicídios, violência, etc.), bem como corresponsável pela destruição de milhares de famílias brasileiras que possuem dentro de casa viciados nesse tipo de droga.
6) Que as igrejas aqui representadas se resguardam o direito ao exercício do mesmo juízo resguardado ao nobre ministro e discordam igualmente de suas palavras e do apoio a tais projetos. Desta forma, as igrejas e seus membros podem discordar de quaisquer opiniões que julguem contrárias à sua fé e crença, inclusive, entre si, e o fazem de maneira ordeira e responsável. Não lembramos de qualquer enfrentamento religioso, apesar das divergências pontuais entre as correntes evangélicas brasileiras, o que é sadio;
7) Que, diante da afirmação de que nos últimos dez anos houveram no Brasil três mil crimes por homofobia, se faz necessária a seguinte pergunta: Por que o ministro, ou seu correspondente na pasta da Justiça, não disponibiliza as investigações das 3000 mortes? Porque muitos destes crimes foram sequer investigados! Entendemos que o emblemático número é fruto de mistificação grosseira e sintetiza a omissão e inabilidade do próprio Governo frente à crescente criminalidade de nossos dias.
Senão leiamos um trecho de reportagem do Jornal do Commercio, do dia 15 de abril deste ano sobre o mesmo assunto. Na ocasião o jornal divulgava estatísticas semelhantes (grifos nossos): Os gays são mais "frequentemente assassinados dentro da própria casa", geralmente a facadas ou estrangulados. Já os travestis são executados na rua a tiros.
O perfil dos criminosos é descrito assim pelo relatório: "80% são desconhecidos, predominando garotos de programa, vigilantes noturnos, 65% menores de 21 anos". Os gays são assassinados dentro de casa por 80% de desconhecidos!? Não lhes parece estranho? Veja como a contradição fica mais aparente quando se acrescenta predominando garotos de programa? Ou seja, na maioria das vezes, o gay chama um garoto de programa para sua própria casa, assumindo os riscos inerentes a esta atitude, e por alguma razão, os dois se desentendem e o gay é assassinado! Isso não é homofobia desde o início, porque, a priori, quem aceita um programa com um gay é porque gosta de sexo com ele.
Apesar das mortes, que devem ser sempre lamentadas, as ONGs dos movimentos engajados desejam um tratamento específico ao problema.
O que querem? Um policial para cada casa, para poderem fazer sexo em segurança com um desconhecido!? Observemos, por oportuno, que a questão colocada em foco não é a violência como drama brasileiro, mas a que atinge especificamente a homofobia. Uma classe especial de apuração somente para os gays. Como se as demais mortes de brasileiros fossem menos importantes. Outrossim, o que dizer dos gays que morrem disputando parceiros? Ou isto não acontece? Ou os que se envolvem em brigas que não tem nada a ver com sua opção sexual e em decorrência delas são assassinados? Dos que se arriscam nos programas noturnos? Enfim, em que circunstâncias foram mortas cada uma destas pessoas? A alquimia esconde, por exemplo, os praticantes do bareback!
8) Que tais projetos criam uma classe especial de privilegiados. Que de posse dos direitos especiais providos pelos projetos irão argüir as opiniões contrárias, de maneira agressiva e violenta, como já ocorre nos EUA. Decerto, a prevalecer a maneira tendenciosa como o Governo Federal cria políticas segregacionistas, um dia o Brasil vai ter uma Delegacia para apurar crimes contra os gays (aliás, já tem, só que com mais ênfase tem em vista os projetos em trâmite), outra contra os negros, os pardos, os amarelos, os narigudos, os baixinhos, os carecas, os gordos, os babalorixás, os que usam colete; enfim, contra cada categoria que reclame para si uma apuração diferenciada. Quando todos, repetimos, todos, os crimes deveriam ser apurados indistintamente, e nuances como sexo, religião, raça e opção sexual fossem contornos do fato. Exceto, nos casos em que há ligação explícita, como, por exemplo, os crimes praticados por neonazistas;
9) Que o Governo Federal desde há algum tempo luta por reparações históricas. O que seria muito bom, se tais reparações não segregassem os brasileiros em castas. A segregação impõe uma classe. Tal imposição se configura racista, quando aloca privilégios. Repudiamos tal articulação, pois historicamente perseguidas pela Igreja Católica, por exemplo, as evangélicas, nunca ousaram reivindicar reparação alguma;
10) Que a fala do excelentíssimo ministro Carlos Minc tenta mantê-lo em foco, desviando-o dos verdadeiros problemas de sua pasta, quais sejam, em resumo:
a) Desmatamento recorde. Provavelmente ao término deste texto o tamanho de uma quadra de futebol de árvores foi abaixo, em nome da ilegalidade e da exploração desordenada;
b) Poluição desmedida de nossos rios e costas. As matas ciliares estão em franco desaparecimento e os rios brasileiros agonizam;
c) Crescimento desordenado de nossas cidades, com déficit sensível de saneamento básico;
d) Impunidade nos delitos contra a natureza;
e) Ausência de políticas de longo prazo para o meio ambiente, tais como implantação da sustentabilidade plena em áreas de preservação ambiental. Em suma, como ministro do Meio Ambiente, o excelentíssimo senhor Carlos Minc seria um excelente defensor das causas gays.
União dos Blogueiros Evangélicos
Nota da redação: Quando nos juntamos mostramos nossa força. Hoje elegemos ate presidente. Parabens pela iniciativa.
Uma sugestão: Façam outro abaixo assinado para o ministro tirar aquele colete.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

OMG News : Anel da pureza exalta virgindade e vira moda

Meninas copiam os ídolos Jonas Brothers (foto) e adotam o acessório, que marca sua opção pelo sexo só após o casamento. Igreja e pais aplaudem, mas sexóloga adverte: “É só modismo”.
A moda do anel da pureza nasceu nos Estados Unidos nos anos 90.Não deu muito certo com Britney Spears nem com Miley Cyrus, a Hannah Montana. Mas bastou os ‘irmãos bom partido’ Jonas Brothers passarem por aqui para que o voto de castidade, simbolizado pelo anel da pureza, virasse febre entre fãs da banda.
Os irmãos Joe, 19 anos, Kevin, 21, e Nick, 16 — que atraíram um batalhão de jovens à Apoteose, ontem —, prometeram: sexo, só depois do casamento.
Inspiradas no trio, Natasha, Marianne, Angelica e muitas outras fãs, também. Os pais e a Igreja disseram amém à nova moda.
A estudante Marianne Godoy, 14 anos, já tinha ouvido falar de anel da pureza, mas só começou a usá-lo quando passou a seguir os Jonas Brothers, que usam-no na mão direita. A onda lançada pelo trio também contagiou suas amigas Natasha Novaes, 15, e Angelica Martins, 16.
As três fizeram seus votos de castidade até o casamento e não tiram o anel do dedo nem por um decreto.

Qualquer anel vale

Na falta de uma réplica do anel exato usado pelos meninos, vale escolher qualquer modelo. O que importa é a simbologia. “Quem ama espera. Acredito nisso e vou fazer o mesmo. Meu namorado vai ter que esperar”, decretou Angelica. Para reforçar o compromisso, as amigas o repetem para as outras, como um pacto. “Mesmo que os Jonas quebrem a promessa, continuamos com o voto”, prometeu Natasha.
Estratégia de marketing ou não, esse movimento, se tiver mesmo como objetivo a pureza do amor, pode ser o início de uma grande retomada de valores cristãos”, crê o reitor da PUC, o padre Jesus Hortal.
De acordo com ele, essa já foi uma das bandeiras que os jovens cristãos mais defenderam. Mas, nas últimas décadas, ela se foi com a chegada da liberação sexual. “Perdemos esses valores com a revolução sexual, a pílula e a ilusão do chamado sexo seguro. Ver os jovens resgatando isso, incentivados por seus ídolos ou não, me deixa feliz”, festeja o religioso. Vânia Novaes, mãe de uma das adolescentes que usam o anel, faz coro: “É um sinal de que o amor voltou a ser valorizado. Tomara que esses meninos não sejam só um fenômeno e passem rápido demais”.
Os pais de Thainá Nunes, 15 anos, também aplaudiram a ideia. “Uso o anel e fiz voto de castidade não só por causa dos Jonas. Mas com certeza eles ajudaram na minha decisão. Meus pais apoiaram”, revela a jovem fã dos ‘brothers’, que surgiram em musical da Disney e já venderam 8 milhões de CDs.
Já seu namorado, Matheus Felipe, 14 anos, não aprova essa exaltação à castidade. Ele jura que ainda está muito cedo para pensar em sexo, mas confessa que não gostou do voto da namorada. “Vou respeitar a decisão dela. Até porque o amor supera tudo. Mas no fundo, no fundo, seria melhor se não tivesse promessa alguma”, entrega o jovem.
A mestre em Sociologia Vera Filgueiras tranquiliza os namorados. “Tudo não passa de puro modismo. Talvez alguns jovens sigam fiéis, mas a história mostra o contrário.
No entanto, tudo o que propõe uma reflexão sobre a vida sexual é salutar, ainda mais na nossa cultura”, analisa ela.

Nos EUA, 88% traíram a promessa

A moda do anel da pureza nasceu nos Estados Unidos nos anos 90, com o programa True Love Waits (Quem ama espera), que prega a abstinência sexual até o casamento. O projeto até hoje percorre escolas e instituições ligadas à juventude. A campanha começou com a Igreja Batista, mas depois foi adotado por diferentes crenças em mais 13 países.
Mas estudo das universidades de Columbia e de Yale, nos EUA, mostrou que a maioria dos jovens americanos que prometeu não fazer sexo antes do casamento desistiu no meio do caminho. Dos 12 mil entrevistados, 88% revelaram ter quebrado a promessa.

Fonte: O Dia

sexta-feira, 22 de maio de 2009

OMG News : Inquérito denuncia abuso sexual ‘endêmico’ de meninos na Irlanda

Um inquérito realizado na Irlanda revelou que 1090 crianças alegam ter sofrido agressões em abrigos infantis, reformatórios e orfanatos católicos do país ao longo de 60 anos e que, em instituições para meninos, o abuso sexual foi "endêmico" no período.
Segundo a Comissão de Inquérito sobre Abuso Infantil, os menores sofreram violência física e abuso sexual em locais que chegaram a abrigar cerca de 35 mil crianças até os anos 80.
O relatório, que aborda a situação de mais de cem instituições religiosas investigadas ao longo dos últimos nove anos, concluiu que os líderes da Igreja sabiam sobre os abusos sexuais de meninos.
Além disso, segundo os depoimentos citados no documento, meninos e meninas das instituições apanhavam com tiras de couro por conversar durante as refeições ou por escreverem com a mão esquerda. "As escolas eram administradas de forma severa, impondo uma disciplina opressiva e não razoável às crianças e funcionários", diz o relatório.
A comissão foi criada em 2000 pelo então primeiro-ministro irlandês Bertie Ahern, que pediu desculpas em nome do Estado às vítimas de abuso infantil.
Um esquema de compensações do governo também foi estabelecido na época e, desde então, já pagou quase 1 bilhão de euros às vítimas.

ABUSOS "CHOCANTES"

Milhares de vítimas prestaram depoimento à comissão, que surgiu depois que uma série televisiva revelou a escala dos abusos.
A jornalista Mary Raftery, que realizou os programas, disse que a extensão dos abusos era "profundamente chocante". Segundo a jornalista, as crianças eram levadas para "casas de terror" e ficavam confinadas até completarem 16 anos. "Elas saíam de lá completamente perturbadas e muitas deixaram o país em seguida", conta.
"Elas sentiam que seu país as havia abandonado, assim como todo o resto, inclusive a religião."
O relatório propõe 21 formas de o governo se redimir dos erros cometidos no passado, incluindo a construção de um memorial, um serviço de acompanhamento psicológico para as vítimas, muitas já aos 50 anos, e a melhoria dos serviços de proteção à criança na Irlanda.
No mês que vem será divulgado um outro relatório sobre supostos abusos de padres católicos em paróquias perto de Dublin, capital da Irlanda.


Fonte: BBC Brasil

OMG News : Ônibus perde a direção e invade igreja evangélica no Rio

Um ônibus perdeu a direção e invadiu uma igreja evangélica no Centro de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.
De acordo com a assessoria do Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 4h30 desta quinta-feira (21) na Avenida Governador Roberto Silveira, uma das vias mais movimentadas da cidade.
Seis passageiros do ônibus se feriram e foram encaminhados para o Hospital da Posse, também em Nova Iguaçu.
A assessoria do hospital informou que duas pessoas continuam em observação na enfermaria e devem ter alta ainda nesta quinta-feira.
As outras vítimas foram atendidas e liberadas. Técnicos da Defesa Civil de Nova Iguaçu foram até a igreja atingida pelo ônibus para analisar se a estrutura do templo foi abalada pela colisão.
Fonte: G1

OMG News : Pastor pede retirada de imagens sacras de prédios públicos do Piauí

O pastor Robson da Silva, presidente da Associação Evangélica Piauiense, entrou com uma representação na Promotoria de Justiça do Piauí para que sejam retiradas as imagens sacras dos prédios públicos do estado.
O documento foi entregue ao promotor Edilson Farias, na segunda-feira (17), e tem a assinatura de integrantes de outras noves entidades sociais. "Queremos a retirada de imagens de santos, pois elas representam apenas uma religião, e transformar os espaços públicos em templos ecumênicos", disse o pastor.
O promotor afirmou que vai fazer uma audiência pública para avaliar o pedido, mas entende que a representação é coerente. "O símbolo da Justiça é uma deusa cega, portanto, todos devem ser iguais e ter os mesmos direitos.
Todos esperam que o Estado seja laico. Se há figura representativas de apenas uma religião nos espaços públicos, entendo que isso não ocorre com objetivo de agredir uma ou outra religião", disse Farias.
Para ele, a presença das imagens sacras, principalmente em prédios da Justiça, faz parte da cultura do país. "Estamos em um dos países com o maior número de católicos no mundo. É até natural que existam essas imagens de santos nos plenários, nos tribunais e nos fóruns.
Vamos analisar a representação e ver o é possível ser feito para oferecer um espaço que contemple todas as religiões", disse o promotor.
Fonte: G1

OMG News : Premiê israelense diz que Jerusalém "sempre foi e será" de Israel.

"Jerusalém sempre foi e será dos judeus, motivo pelo qual nunca será partida ou dividida de novo. Só com uma Jerusalém unida será possível manter a liberdade de culto para as três [grandes] religiões" monoteístas --o judaísmo, o islamismo e o cristianismo--, disse o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu.
O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou nesta quinta-feira que "Jerusalém sempre foi e será" dos judeus, motivo pelo qual "nunca será partida ou dividida de novo".
A cidade, que tem grande valor para palestinos e israelenses, é um dos principais impasses nas negociações por um acordo de paz. "Jerusalém unida é a capital de Israel", disse o premiê, ao discursar num ato em comemoração à "reunificação" da cidade após a tomada da parte oriental na Guerra dos Seis Dias, em 1967.
No início de seu discurso, Netanyahu, líder do partido Likud (direita), disse que transmitiu essa mensagem aos Estados Unidos, onde se reuniu com o presidente Barack Obama e a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.
A reunião nos EUA acabou sem grandes acordos, já que Netanyahu rejeita os avanços propostos por Obama nas conversas de paz com os palestinos e quer uma postura mais rígida dos EUA em relação ao Irã. "Só com uma Jerusalém unida será possível manter a liberdade de culto para as três [grandes] religiões" monoteístas --o judaísmo, o islamismo e o cristianismo--, disse o premiê na Colina da Munição, um dos lugares mais simbólicos da disputa travada há 42 anos.
O chefe de governo israelense afirmou ainda que "nunca houve tanta liberdade de culto em Jerusalém como agora". Segundo Netanyahu, em 1967, "um sonho de longa data" foi realizado com a vitória das tropas israelenses sobre a Jordânia no lado oriental de Jerusalém, onde os palestinos querem estabelecer a capital de seu futuro Estado.
Mais tarde, em 1981, Israel anexou para si a parte leste da cidade, por meio de uma lei parlamentar que declarou toda Jerusalém "capital eterna e indivisível do povo e do Estado judaico" --o que foi rejeitado pela comunidade internacional.
O ato, do qual participaram os principais líderes políticos e militares de Israel, deu início às comemorações do Dia de Jerusalém. De manhã, sob o lema "Acordem da fantasia: Jerusalém está unificada?", centenas de ativistas israelenses e palestinos se reuniram em frente ao histórico Portão de Damasco da Cidade Antiga de Jerusalém em protesto contra as comemorações dos judeus.
Fonte: Folha Online

segunda-feira, 18 de maio de 2009

OMG News: È lamentavel, apenas 2 condenados em caso de pedofilia

Como diz o ditado..."A corda arrebenta sempre do lado do mais fraco"

José Barra Nova de Melo: 11 anos, 10 meses e 15 dias de prisão por abusar de crianças Michelle Berti
A Justiça de Catanduva condenou o borracheiro José Barra Nova de Melo, 46, o Zé da Pipa, a 11 anos, 10 meses e 15 dias de prisão pelo abuso sexual de pelo menos dez crianças.

O sobrinho dele, William Melo de Souza, 19, pegou 7 anos e seis meses de prisão por participação nos crimes.
Outras quatro pessoas ainda são investigadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), acusadas de integrar uma rede de pedofilia.
Segundo a coordenação do órgão, as investigações que fazem parte do segundo inquérito estão na fase final, e as conclusões devem ser apresentadas em um mês.
O julgamento de Barra Nova e Souza aconteceu na última quinta-feira, dia 21, e teve mais de seis horas de duração.
A sentença foi proferida pelo juiz Celso Mazitelli Neto, por volta das 20 horas.
“Foi um julgamento trabalhoso e demorado, mas tudo correu tranquilamente.”
Barra Nova, que está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Rio Preto, deve continuar encarcerado. Ele teve prisão preventida solicitada pela juíza da 1ª Vara da Infância de Catanduva, Sueli Juarez Alonso, durante o decorrer do processo.
Já Souza poderá recorrer da sentença em liberade. O borracheiro é acusado de aliciar crianças da periferia de Catanduva. O abuso acontecia na casa dele, no Jardim Alpino, e também em outros locais da cidade.
As crianças eram obrigadas a tirar fotos nuas. Em alguns casos, há relatos de uso de entorpecente. Ele e o sobrinho foram reconhecido pelas vítimas.
Mesmo condenados eles ainda são alvo da investigação, conduzida pelo Gaeco.
Além de Barra Nova e Souza, este segundo inquérito analisa o envolvimento de outros quatro homens de classe média - um médico, um empresário, um comerciante e um almoxarife - com abuso infantil.
Eles formariam uma rede de pedofilia, e teriam feito mais de quarenta vítimas.
Em depoimento, as crianças relataram que sofreram abuso em mansões da cidade.
Dois dos acusados chegaram a ser presos, mas foram liberados.
Os outros dois eram procurados pela Justiça, mas conseguiram um habeas corpus. Segundo o Gaeco, estão sendo realizadas as últimas diligências necessárias à investigação.
As ações não podem ser divulgadas pois a investigação ocorre em sigilo.

OMG News : Pela primeira vez em 15 anos, maioria dos americanos rejeita o aborto

Pela primeira vez em quase 15 anos a maioria dos americanos pronunciou-se contra o aborto, apesar de 53% das pessoas ouvidas tolerarem, "em alguns casos", a interrupção voluntária da gravidez, revela uma pesquisa Gallup publicada na sexta-feira da semana passada.
De acordo com a sondagem, 51% dos americanos se disseram contra o aborto --posição chamada de pró-vida--, enquanto 42% se mostraram a favor --pró-escolha.
O resultado é inédito desde 1995, ano no qual o instituto Gallup começou a realizar regularmente pesquisas sobre o assunto. "Isto representa uma mudança significativa em relação há um ano, quando 50% se declaravam a favor do aborto e 44% contra", explicou o Gallup, que ouviu 1.015 adultos entre os dias 7 e 10 de maio.
Embora haja uma mudança no equilíbrio entre os pró-vida e os pró-escolha, o direito ao aborto não parece ameaçado no país.
O direito foi reconhecido em 1973 pela Suprema Corte no julgamento do caso "Roe versus Wade" e foi respaldado pela mesma corte em 1992.
Atualmente, a composição da corte, de nove membros, está dividida entre quatro conservadores, quatro liberais e um conservador moderado, mas os liberais --mais inclinados a favorecer a legalidade do aborto-- podem chegar à maioria durante o governo Obama, que pode ter a chance de indicar até três novos juízes durante seu mandato.
Os cargos são vitalícios, mas os juízes podem se aposentar quando desejarem, como fará o liberal David Souter, 69, que anunciou há duas semanas seu desejo de se retirar da Suprema Corte.
Fonte: Folha Online

OMG News : Violência contra a mulher é uma dura realidade brasileira que desafia a Igreja

Segundo a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres em 2007, a Central de Atendimento à Mulher registrou 205 mil atendimentos, um aumento de 306% em relação a 2006. Psicóloga diz que a violência doméstica faz parte dos segredos bem guardados de muitas famílias cristãs.
No dia 22 de março, um domingo, Ana Cláudia Melo da Silva, de 18 anos, foi esfaqueada em um apartamento em São Paulo. Seu filho, de um ano e sete meses, foi levado pelo ex-marido, Janken Evangelista, 29, principal suspeito do crime.
Ana se mudou do interior da Bahia para fugir de Janken, que costumava agredi-la por ciúmes. Mas ele a seguiu até São Paulo e ganhou na Justiça o direito de ver o filho semanalmente. Na terceira visita, a jovem mãe foi assassinada.
Esta não é uma história isolada. Casos de agressões e homicídios a mulheres se multiplicam no Brasil. E as igrejas evangélicas têm o desafio de ajudar a impedir que situações assim se espalhem ainda mais. Espaço de acolhimento e de tratamento da alma, nem sempre a Igreja, contudo, consegue lançar luz nos quartos escuros e vencer a lógica da violência que recai sobre mulheres de todas as classes sociais.As estatísticas são alarmantes.
De acordo com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e o portal Violência Contra a Mulher (http://www.violenciamulher.org.br/), em 2007, a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 registrou 205 mil atendimentos, um aumento de 306% em relação a 2006.
Do total, dez por cento referem-se a denúncias concretas de violência. Foram 20 mil casos de agressões físicas, psicológicas, morais e sexuais contra mulheres. Houve também 211 tentativas de homicídio e 79 assassinatos.
A psicóloga Esly Carvalho, autora do livro Família em Crise - Enfrentando problemas no lar cristão, diz que a violência doméstica faz parte dos segredos bem guardados de muitas famílias cristãs. Para ela, que é especialista em saúde emocional e costuma tratar os mais diversos tipos de abusos no ambiente familiar, é preciso romper o silêncio. Esly chama os crentes à responsabilidade.
“A Igreja deve ser a primeira a erguer sua voz profética e denunciar o terrível segredo da violência doméstica”, afirma. Evangélica, Esly acredita que o primeiro passo para se combater a violência doméstica é falar sobre isso. “Quantas vezes você ouviu um sermão sobre violência doméstica?”, indaga.
“As pessoas precisam ser orientadas”. Ela critica o legalismo religioso, que levaria muitas mulheres a suportarem caladas a violência. Mesmo sem querer entrar em polêmicas teológicas, Esly argumenta que a violência é, sim, uma razão bíblica para o divórcio. “A violência é uma traição. Quando o homem bate numa mulher, ele está traindo os votos matrimoniais.
O Evangelho nos chama a uma vida em amor”, declara, observando que a sociedade está muito exposta à violência.

Dentro de casa

Segundo levantamento do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, um em cada cinco dias de falta ao trabalho no mundo é causado pela violência sofrida pelas mulheres dentro de suas casas. A estimativa é de que o custo total da agressão doméstica oscile entre 1,6% e 2% do PIB de cada país.
Dados da Organização Mundial de Saúde, publicados em 2005, revelaram que uma em cada seis mulheres no mundo sofre violência doméstica. Ainda segundo a pesquisa, até 60% dos casos envolvendo violência física foram cometidos por maridos ou companheiros.
Em Brasília, um programa do governo do Distrito Federal dá suporte a mulheres e crianças que já não podem ficar em casa, diante da violência de um marido ou companheiro. É a Casa Abrigo, criada em 1993 para acolher aquelas que não tem para onde ir. O refúgio é mantido sob sigilo e em constante vigilância.
Ali, as mulheres estão sob proteção da Justiça e recebem apoio jurídico, social e psicológico. Evangélica, a agente social Maria Aparecida Pereira dos Santos, 30 anos, trabalha há cinco anos na instituição e diz que todo dia aprende alguma coisa com as pessoas que lá chegam. “Vem gente de todas as classes sociais.
As que ficam são aquelas que não têm outra alternativa.” Ela conta ainda que chegam muitas irmãs em Cristo. Em sua opinião, esse problema não é abordado nas igrejas porque as pessoas não gostam de se expor. “Você não comenta esse tipo de coisa”, avalia.
Ela confirma na prática profissional o que revelam os analistas: a maioria das mulheres não quer a separação, mas sim que o marido mude. “De dez que chegam aqui, oito voltam para os companheiros”, revela.
Em março, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em Washington, nos Estados Unidos, premiou o Laboratório de Análise e Prevenção da Violência, o Laprev, da Universidade Federal de São Carlos (SP), por sua contribuição na criação do serviço de psicoterapia para mulheres vítimas de violência.
Ao falar sobre o prêmio, a coordenadora da entidade, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams, disse que para enfrentar o problema da violência contra a mulher é preciso envolver toda a família, a escola e a comunidade. “O trabalho com o agressor, ainda pouco frequente no Brasil, é fundamental para que ele conheça e possa aplicar outras formas de resolução de conflitos.
O acompanhamento psicológico das crianças também é importante porque elas geralmente carregam sequelas da violência intrafamiliar”, aponta. “No Laprev atendemos gratuitamente tanto as vítimas como os agressores.
Aqui eles têm possibilidade de tratamento”, diz o psicólogo e doutor em educação Ricardo Padovani, de 34 anos, pesquisador do laboratório, que estuda o perfil dos agressores conjugais. Segundo ele, ter sido vítima de maus tratos infantis e ter presenciado o pai agredir a mãe são fatores de risco para tornar-se um agressor, já que a criança aprende que a forma de resolver um conflito é pela violência.
“Os agressores apresentam baixa auto-estima, têm uma rede social de apoio restrita, uma dependência emocional extrema da parceira e muita dificuldade de lidar com a frustração e de manejar a raiva”, explica ele, para quem as mulheres precisam ficar atentas a alguns sinais.
“Ela deve observar se tem um parceiro que quer controlar tudo o que faz, demonstra ciúme excessivo, não permite que ela tenha amigos ou é uma pessoa obsessiva e possessiva”, enumera. Padovani vê no uso de álcool e outras drogas uma possibilidade de potencializar a violência já existente. “É um risco a mais.
Mas isso só não explica o fenômeno”. O psicológo diz não atender com frequência pessoas religiosas. “Dependendo do perfil do indivíduo, um suporte religioso pode ser fator de proteção. Isso também depende de fatores pessoais”, analisa o especialista.

Mobilização

As igrejas estão despertando para o problema.
Os adventistas realizam, desde 2002, a campanha mundial “Quebrando o Silêncio”, de educação e prevenção contra a violência doméstica. No quarto sábado de agosto, todas as igrejas da denominação abordam o assunto. Além disso, são realizados atos públicos como caminhadas, seminários e apresentações teatrais para adultos e crianças.
Segundo a coordenadora do projeto para a América do Sul, a pedagoga Wiliane Marroni, é preciso reconhecer que a violência contra a mulher existe: “Temos que orientar os pais e os filhos”, diz, lembrando os princípios cristãos de amor e igualdade.
O projeto inclui a publicação de vasto material educativo, disponível no site http://www.quebrandoosilencio.org.br./
Já a Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB) lançou, há dois anos, a cartilha Temas e conversas – Pelo encontro da paz e superação da violência doméstica, com reflexões e instruções para as comunidades da denominação. A cartilha define a violência contra a mulher como pecado. “Infelizmente, o lar é para muitas mulheres e crianças um lugar mais inseguro do que caminhar numa estrada escura durante a noite”, compara a psicóloga Valburga Schmiedt Streck.
“A comunidade cristã é um espaço privilegiado para auxiliar as pessoas a identificar e rever os valores que norteiam as relações de gênero, com vistas a alcançar relações mais amorosas e de maior reciprocidade”, diz o pastor presidente da IECLB, Walter Altmann, quando do lançamento
do material.
No mês passado, em artigo publicado no Jornal do Comércio, de Pernambuco, o deão Sérgio Andrade, da Igreja Anglicana da Santíssima Trindade, em Recife, subiu o tom das críticas quanto à atuação das igrejas na prevenção desse tipo de violência.
“Ao invés de anunciar o Evangelho comprometido com a libertação e a verdade, reforçamos modelos de subserviência e inferioridade feminina. E ainda utilizamos o nome de Deus em nossas argumentações”, afirmou.
Para ele, é preciso “ler a Bíblia com os olhos de Jesus”, observando que “o homem não está acima da mulher, não tem domínio ou propriedade sobre ela, mas se coloca como companheiro”.

Solidariedade na igreja

O folder da campanha “Quebrando o Silêncio”, da Igreja Adventista do Sétimo Dia, enumera uma série de atitudes que podem ajudar vítimas de violência doméstica e seus agressores a encontrar uma solução. Destacando que “o abuso não é da vontade de Deus”, o folheto tem um tópico intitulado O que as igrejas devem fazer para prevenir a violência doméstica:
Incentivar líderes a falar sobre o problema;
Convidar pessoas experientes para fazer apresentações educativas, inclusive para crianças;
Participar de campanhas de conscientização na comunidade;Orientar e instruir a congregação sobre como proceder em casos assim

Uma lei que protege

O principal instrumento jurídico de proteção e combate à violência doméstica e familiar contra a mulher no Brasil é a Lei 11.340/06, a Lei Maria da Penha. O nome homenageia a cearense Maria da Penha Maia, vítima de duas tentativas de homicídio perpetradas pelo seu então marido, o professor de economia Marco Antonio Herredia Viveros, pai de suas duas filhas.
Paraplégica em decorrência do primeiro ataque, ela lutou por quase 20 anos para colocá-lo na cadeia. Com a demora da Justiça brasileira, Maria da Penha recorreu à Comissão Interamericana dos Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), que, pela primeira vez, acatou denúncia de um crime de violência doméstica.
Em 2001, a Comissão responsabilizou o Estado brasileiro por negligência, omissão e tolerância em relação à violência doméstica contra as mulheres. Entre as principais mudanças introduzidas pela lei, está a definição da violência doméstica e familiar contra a mulher como qualquer ação ou omissão que cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico, bem como dano moral ou patrimonial.
Ela prevê ainda atendimento policial especializado para as vítimas, em delegacias de Atendimento à Mulher, bem como a criação de Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher – uma mudança jurídica, já que, até então, esse tipo de crime era considerado de menor potencial ofensivo. As punições também ficaram mais severas, com o aumento do tempo máximo de prisão em caso de agressão doméstica, que passou de um para três anos.

Fonte: Cristianismo Hoje

domingo, 17 de maio de 2009

OMG News: Neymar controla fama e segue fé evangélica de Kaká

Atacante mantém forte ligação com igreja evangélica e mira conduta de craque do Milan fora de campo. Família vigia gastos do jovem talento do Santos.
SANTOS - Neymar, 17, afirma ter Robinho como inspiração em campo, mas enxerga em Kaká o exemplo de conduta fora das quatro linhas.
Revelação do Santos, o atacante se diz vacinado contra deslumbramentos, algo corriqueiro na carreira de estrelas recém milionárias, e segue os passos do craque do Milan, reforçando a linha dos jogadores a serviço de Deus.
Neymar faz o perfil de um atleta evangélico: participa de ações filantrópicas, diz que jamais assinará contratos com empresas de bebidas alcoólicas quando alcançar a maioridade, vai à igreja pelo menos uma vez por semana, evita baladas noturnas, e prefere encontros com amigos em restaurantes ou mesmo em casa, a exemplo de Kaká.
“O Kaká é uma pessoa simples e que joga muita bola”, resume Neymar.
Apesar de sua vida ter sofrido uma guinada desde sua estreia no time principal do Santos, no começo de março, Neymar continua mantendo hábitos da fase pré-fama, afirma o pai da joia alvinegra, Neymar Santos.
“O Neymar leva a vida da mesma forma como era antes. Lógico que agora fica difícil às vezes ele ir, por exemplo, aos cultos de domingo pela manhã, até porque ele tem viajado bastante com o Santos.
Mas ele continua integrando ‘células’ [grupos que visitam pessoas para apresentar a palavra de Deus]“, contou Santos ao Pelé.Net.
Ao contrário de Kaká, integrante da Renascer em Cristo, Neymar é fiel da Igreja Peniel. A diferença para por aí. Ambos adotam comemorações idênticas, com os braços erguidos e os dedos apontados para o céu.
Quando estreou no Santos, Neymar havia combinado com Madson de fazer coreografia de funk assim que marcasse seu primeiro gol no profissional.
A promessa foi cumprida. Desde então, Neymar trocou passos de funk por ritmos evangélicos nas comemorações.
No primeiro gol do Santos na vitória sobre o Palmeiras, 2 a 1, nas semifinais do Estadual, no Parque Antarctica, Neymar, Roberto Brum e Madson promoveram comemoração evangélica, cujo refrão da música é “para direita, para esquerda, para frente e para trás”.
“A mãe dele é uma pessoa muito ligada a Deus e que sempre incentivou o Neymar aos cultos. Ele ainda tem a sorte de contar com amigos dentro do elenco do Santos que também são religiosos.
Eu sei que o Neymar tem cabeça boa para encarar o sucesso e deslumbramento”, acrescenta Neymar Santos.
Mesada e “sermões” do pai
Neymar se tornou milionário sobretudo após negociar parte de seus direitos econômicos ao grupo Sonda. Mesmo assim, ele consulta a família para qualquer movimentação financeira, desde gastos simples, como sacar dinheiro para almoçar no restaurante, até grandes investimentos.
Recentemente, o atleta comprou uma cobertura em Santos. O jovem ainda conta com uma “mesada” do grupo Sonda para despesas fora do clube.
O controle dos pais sobre Neymar vai além. Pouco após estrear no profissional do Santos, Neymar foi aconselhado a recusar convites dos amigos para “peladas” na praia, assim como ouviu para que não fosse de bicicleta à casa dos amigos.
Neymar, 17, ainda não possui carteira de habilitação. Qualquer contusão na praia ou queda da bicicleta poderiam prejudicar o rendimento nos gramados, diz o pai.
Fonte: Pelé Net/ O Vergo

MG News : Câmara paga passagens para artistas gospel. Deputado já devolveu dinheir

A cota de passagens aéreas do deputado licenciado e pastor Robson Rodovalho (DEM-DF) foi usada para trazer a Brasília duas das principais atrações de um show evangélico apoiado por sua igreja, a Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra.
A Câmara pagou passagem para oito integrantes da banda de de rock cristão Oficina G3 e o rapper DJ Alpiste.Eles voaram de São Paulo até a capital federal para participar da segunda edição do “Desperta, Brasília”, promovido no dia 31 de agosto de 2007, no estacionamento do Ginásio Nilson Nelson, em Brasília.
Para assistir ao evento, cada pessoa pagou R$10 ou entregou um quilo de alimento, que foi distribuído a famílias carentes, segundo o organizador do show, Gleison Willy, membro da igreja de Rodovalho.
No evento, o Oficina G3 lançou seu cd “Eletrakustica”. O deslocamento do grupo de São Paulo para Brasília foi feito com a cota de Rodovalho.
O voo JJ 3722 saiu de Congonhas às 9h07 de sexta-feira. Às 9h10 de sábado, 1º de setembro, a banda de rock voltou para São Paulo, no voo JJ 3701.
Estavam no avião o guitarrista e fundador do Oficina G3, Juninho Afram, o baixista Duca Tambasco, o tecladista Jean Carllos, o baterista Celso Machado, empresário Ivan Miranda, o técnico de som Ivo Sakihara, o assistente Ednaldo Santos e o iluminador José Fernandez.
O rapper evangélico DJ Alpiste também voou de São Paulo à capital federal para participar do “Desperta, Brasília” em 2007. O voo da TAM JJ 3464, saiu na sexta-feira, às 8h30 da capital paulista. DJ Alpiste voltou a São Paulo no dia seguinte, sábado, no voo JJ 3719, que partiu às 5h50 de Brasília.
O rapper e o empresário da banda de rock, Ivan Miranda, disseram desconhecer que a passagem tinha origem em verba da Câmara dos Deputados.
“Não tinha conhecimento de serem bilhetes de cota parlamentar, pois eu trato o evento diretamente com o produtor da cidade e ele providencia o envio das passagens aéreas, vaucher de hotel, etc”, disse o empresário, em nota.
Alpiste disse que seus contratos só preveem cachê, transporte, alimentação e estadia. “A pessoa tem que me mandar o PTA, o código da passagem paga e só”, explica o cantor de rap, que atualmente cobra R$ 5 mil de cachê para tocar em eventos.
O rapper se lembra de ter conversado com Rodovalho nos bastidores do show, mas ressalta que o parlamentar não subiu ao palco.
Cantores e pastores
Além do Oficina G3 e do DJ Alpiste, diversos outros músicos e pastores voaram com a cota aérea de Rodovalho. Alda Célia Cavagnaro, cantora e compositora de diversas canções nacionalmente conhecidas por evangélicos, viajou do Rio de Janeiro para Brasília. O voo JJ 3822 da TAM partiu às 10h22 de 17 de julho de 2007.
Pastora da Sara Nossa Terra no Rio, Alda Célia é um dos expoentes da música cristã brasileira.
O álbum “Voar como a águia”, de 2002, rendeu a ela um disco de ouro, depois de vender mais de 100 mil cópias.
A assessoria da cantora afirma desconhecer o motivo do voo, porque ela faz muitas viagens pelo Brasil. Ainda de acordo com a assessoria da cantora, ela ignorava a origem da passagem.
A cantora Heloísa Rosa participou de um culto dirigido pelo bispo e deputado Rodovalho, no dia 9 de setembro de 2007, em Brasília. Com um bilhete aéreo emitido em 3 de setembro de 2007, a cantora e o marido, Marcos Groubert, viajaram de São Paulo para Brasília, com a cota de Rodovalho. A assessoria da cantora diz que ela desconhecia a origem da passagem.
O site Congresso em Foco identificou ainda outras três cantoras e cinco religiosos na lista de passageiros do deputado. Todos os que foram localizados informaram desconhecer que suas viagens foram pagas pela Câmara.
Deputado diz que tudo foi legal, mas que devolverá dinheiro
Procurado, o deputado Rodovalho (DEM-DF) enviou uma nota ao site em que afirma ter usado sua cota dentro da lei, mas que, mesmo assim, irá devolver todas as despesas feitas por ele desde que assumiu o mandato, em janeiro de 2007, até torna-se secretário do Trabalho, em abril de 2008.
O deputado licenciado diz que todos os voos foram feitos “no exercício do mandato e a serviço das comissões e das frentes” das quais ele participa, como a Frente da Família e Frente Parlamentar Evangélica.
Rodovalho afirma que os shows, marchas e seminários, como o 2º “Desperta, Brasília”, serviram para propagar “princípios e valores de consciência da família”. Diz que essa prática é “forma democrática de participação popular e formação de cidadania pelos mais diversos segmentos sociais representados no Congresso Nacional”.
Apesar disso, Rodovalho promete devolver à Câmara valor equivalente aos créditos utilizados de sua cota parlamentar para viagens de terceiros e abrir mão de gastá-los daqui por diante.
“Por ser parlamentar representante do povo de Brasília e aqui residir, é dispensável o uso de cotas de passagem aéreas”, termina a nota enviada pelo deputado e atual secretário de Trabalho do Distrito Federal.
Como parlamentar do DF, Rodovalho tinha direito a R$ 4.705,72 em passagens aéreas. Com a redução de 20%, promovida pela Câmara após a divulgação da série de reportagens sobre a farra das passagens, esse valor caiu para R$ 3.700 aproximadamente.
Registros das companhias aéreas aos quais o Congresso em Foco teve acesso mostram que o deputado aparece como passageiro em apenas um dos 164 voos feitos com sua cota no período de março de 2007 a outubro de 2008. Renda para a frentePara entrar no show “2º Desperta, Brasília”, era necessário levar um quilo de alimento ou R$ 10.
Segundo o produtor do evento, Gleison Willy, os mantimentos eram entregues a instituições beneficentes.
Ele diz que o evento não teve patrocínios, embora uma propaganda de rádio da época anunciasse como patrocinadores as empresas do grupo Paulo Octávio e o site do bispo Rodovalho. "Como não teve patrocínio colocamos ingresso que pagou a estrutura do evento e dei a contribuição ajudando na produção", escreveu Gleison.
Rodovalho argumenta que os recursos arrecadados foram para a Frente Parlamentar da Família, presidida por ele. “A Câmara não paga nada. Nem sala eles nos dão”, disse o deputado ao site, por telefone.
Segundo Gleison, o evento não se resumia a música, embora tenha reunido grupos de rock, rap, funk e axé. "Além das músicas, tivemos conscientização da Frente parlamentar da família, [com] palavras sobre a valorização da família", informa o produtor do show.
De acordo com o produtor, é por isso que optaram por escolher "músicos que reunissem vários jovens" num só local. O bispo Rodovalho afirma que todos os demais passageiros informados pelo site Congresso em Foco vieram participar de eventos promovidos pela Frente da Família. Nenhum teria vindo para participar de cultos em sua igreja.
A cantora Heloísa Rosa esteve num culto da igreja de Rodovalho em 9 de setembro de 2007. Mas, segundo o bispo, ela participou de um evento da frente e aproveitou a ocasião para ir à Sara Nossa Terra.
Estrutura da Casa
O diretor geral da Câmara, Sérgio Sampaio, afirmou ao site que, ao contrário das comissões, as frentes parlamentares não fazem parte da estrutura da Casa. “A frente não pode demandar que nós tragamos alguém aqui para participar de uma audiência”, explicou.
Segundo Sampaio, a partir das novas regras adotadas pela Câmara nos últimos dias, um deputado não pode mais usar recursos de sua cota de passagens aéreas para eventos de uma frente parlamentar.
Igreja
Robson Rodovalho é o fundador da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra. A igreja foi criada em 1992, por ele e sua esposa, a bispa Maria Lúcia Rodovalho. Hoje, possui mais de 700 igrejas espalhadas pelo Brasil e exterior, coordenadas pela Federação Nacional Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra.
A Sara Nossa Terra possui uma emissora de televisão, Rede Gênesis, que pode ser captada em UHF e canais por assinatura, e uma rádio, a Sara Brasil FM. Rodovalho licenciou-se da Câmara em abril de 2008 para assumir a Secretaria de Trabalho do DF.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

MG News : "Fala que Eu Te Escuto" vence Globo e lidera ibope, diz coluna

O programa "Fala que Eu Te Escuto", exibido na Record, derrotou a Globo durante a madrugada e pela primeira vez foi líder de ibope isolado, segundo a coluna Ooops!, do UOL. O programa foi líder durante toda sua exibição, de 1h19 a 2h24.
A média foi de cinco pontos para a atração produzida e apresentada por bispos da Igreja Universal contra quatro pontos da Globo.
O "Fala que Eu Te Escuto" chegou a abrir sete pontos em relação a quatro da Globo durante a exibição do "Programa do Jô". O SBT ficou em terceiro, com três pontos. O programa de ontem discutiu o tema jovens na criminalidade e normalmente o resultado da atração costuma ficar na casa dos dois pontos.
Fonte: Folha Online

MG News : Número de suicídios de jovens bate recorde em 2008 no Japão

O número de jovens com menos de 30 anos que se suicidaram no Japão em 2008 alcançou o recorde de 4.850, 1,7% a mais que no ano anterior, informou hoje a Polícia local.
Em 2008, 32.249 pessoas se mataram no Japão, uma baixa de 2,6% em com relação aos números do ano anterior, mas ainda acima do objetivo do Governo, que luta para descer baixo da linha de 30 mil as mortes por suicídio por ano, segundo a agência local "Kyodo".
O grupo dos jovens foi o único que mostrou uma alta em relação ao ano anterior, com 3.438 mortes, 3,9% a mais que em 2007, enquanto os casos de suicídio entre menores de 20 anos subiram 11,5%, para 611 casos.Segundo a Polícia japonesa, a principal motivação para os suicídios foi a depressão, com 6.490 casos, seguida por dores físicas, com 5.128, e as dívidas, com 1.733.
A taxa de suicídios foi de 25,3 para cada 100 mil habitantes, o que coloca ao Japão entre os dez países do mundo com mais casos.
O suicídio é a sexta maior causa de morte no Japão, onde não está associado a um tabu social, como em muitos outros países, e é visto ainda como uma maneira honrosa de acabar com a vida.

Fonte: EFE

MG News : USP conclui que sustentação de telhado da Renascer estava sem reforço

Um relatório elaborado por um laboratório da USP (Universidade de São Paulo) chegou à conclusão que uma das sustentações do telhado da igreja Renascer, que desabou em janeiro em São Paulo, estava sem reforço.
O acidente causou a morte de nove mulheres e deixou cerca de uma centena de pessoas feridas.
Parte da estrutura, chamada tecnicamente de tesoura (estrutura triangular de sustentação das telhas), foi analisada por pesquisadores do Lem (Laboratório de Estruturas e Materiais Estruturais) da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo). O que sustentava as telhas eram 14 dessas tesouras.
Segundo informou um professor do departamento à Folha Online, apenas partes da tesoura 14 foram entregues para análises qualitativas. Tal análise foi feita de forma voluntária pelos pesquisadores a pedido do IC (Instituto de Criminalística).
Eles responderam a oito questionamentos formulados pelos peritos. O IC informou que o laudo que irá apontar as causas do acidente deverá ser concluído apenas na próxima semana.
Procurado, o instituto não quis comentar o assunto alegando que só irá fazê-lo quando da divulgação do laudo. Apesar de ressaltar que a análise é uma visão "localizada" e os ensaios em uma única tesoura não são conclusivos para determinar o real motivo do desabamento do teto, este professor afirmou que, eventualmente, a ausência de reforço metálico pode ter cansado o material, provocando a queda. Casos
Essa não foi a primeira vez que o Lem é requisitado por peritos ligados às polícias para realizar uma análise em um material. Desde 1994 o laboratório é requisitado para auxiliar no trabalho de pesquisa e análise de materiais provenientes de tragédias.
Entre elas estão o desabamento do teto da Igreja Universal do Reino de Deus em Osasco (Grande São Paulo), que desabou em 1998 matando 25 pessoas e ferindo mais de 400 e a cratera da estação Pinheiros da linha 4-amarela do metrô, que matou sete pessoas.
Telhado
A Renascer não seguiu a recomendação do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) de fazer revisões periódicas na estrutura do telhado, o que é negado pela denominação. As revisões, de acordo com o IPT, eram fundamentais para garantir a segurança do teto.
A Renascer diz ter feito as revisões, afirma que elas eram simples, mas não tem documentos para comprová-las. Revisões sem documentação técnica não têm valor legal.
A recomendação faz parte do relatório que o IPT elaborou em 15 de fevereiro de 2000, atestando que as recomendações que os engenheiros tinham feito para restaurar a estrutura do telhado da igreja haviam sido cumpridas.
"Devido aos reforços introduzidos nas tesouras TR 01 a TR 14 a segurança está restabelecida nas condições atuais'", diz o texto. Tesoura é o jargão pelo qual é conhecida a estrutura triangular que sustenta as telhas. Há, porém, uma ressalva na aprovação da reforma: "No entanto, esta segurança precisa ser verificada ao longo do tempo, inspecionando-se periodicamente, para detectar possíveis danos causados à estrutura de madeira por fadiga, desgaste físico, biodeterioração e eventual sobrecarga não prevista". A igreja informou à época que havia sim seguido todas as orientações do IPT.
"Nos testes realizados na época, apurou-se que a margem de segurança era até maior do que a prevista", segundo nota emitida no dia 19 de janeiro deste ano. Outro lado Procurada para comentar o resultado das análises feitas pelo Lem, a Renascer afirmou que apenas irá se pronunciar após a divulgação do laudo das autoridades competentes, o que, segundo a Igreja --e contrário ao que informa o IC-- deverá ser feito nos próximos 30 dias.
"Qualquer suposição sobre a tragédia, portanto, deve ser repelida como precipitada e irresponsável", informa a nota.
Fonte: Folha Online

MG News : Unicef denuncia que 6 milhões de crianças sofrem abusos na A.Latina por ano

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e outras ONGs denunciaram ontem na Costa Rica que, a cada ano, seis milhões de meninos, meninas e adolescentes são vítimas de abusos graves na América Latina e no Caribe, dos quais 80 mil morrem em decorrência da violência doméstica.
Entre ontem e hoje acontecem na Costa Rica as comemorações pelo 20º aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança, e, por isso, diferentes organizações se reuniram neste país para denunciar a situação dos menores na região.
Durante a abertura do evento, os participantes explicaram que, a cada dia, 220 crianças morrem em decorrência da violência doméstica na América Latina.
A cada hora, 28 menores são vítimas de abusos sexuais, dos quais entre 70% e 80% são mulheres; em 50% dos casos, os agressores e agredidos vivem debaixo do mesmo teto e 75% estão estreitamente relacionados com as crianças, conforme revelam os dados.
O diretor regional do Unicef para a América Latina e o Caribe, Nils Kastberg, alertou para "a impunidade dos adultos" que praticam todo tipo de violência contra os menores de idade.Kastberg também chamou a atenção para a evasão escolar, e disse que "apenas 35% dos meninos e meninas da América Latina e do Caribe terminam o ensino médio", o que representa outra violação aos direitos fundamentais desses menores.
Neste sentido, enfatizou que em toda a região ainda existem brechas entre os menores, já que "há diferentes níveis de oportunidades que são marcadas por cor, etnia, zonas rurais ou na parte da metrópole na qual a criança nasceu".
Por esta razão, insistiu na necessidade de "criar um piso de oportunidades para que todos os menores tenham as mesmas condições e possam ter acesso a educação e saúde".
Fonte: EFE

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Confidencial da Igreja Universal: Edir Macedo xinga e humilha esposas de pastores!

Existe uma gravação no you tube que mostra como o bispo Edir Macedo em reunião confidencial fala com seus pastores a respeito do crescimento das igrejas em todo o mundo. Se a igreja cresce, o pastor tem o "espirito santo", senão cresce não tem o espirito.
Veja a gravação na integra no
http://www.youtube.com/watch?v=rtkhS8nl3Vs

domingo, 10 de maio de 2009

MG News : Claudia Leitte diz que recebeu mensagem de Deus sobre doença do filho

A cantora Claudia Leitte falou nesta quarta-feira, dia 6, sobre o drama que vem passando desde a internação de seu filho Davi, de três meses, que está com meningite.
De acordo com o jornal O Dia, a cantora afirmou que foi avisada por Deus que precisava levar o pequeno ao hospital.Claudia Leitte vai passar seu primeiro Dia das Mães com o filho, Davi, de 3 meses e meio, ainda internado no hospital Copa D’Or, onde ele se recupera de meningite. Mas, ainda assim, a cantora está dando glórias nas alturas.
Segundo ela, seu filho só está bem porque ela ouviu a um chamado divino. “Ainda no Projac (estúdios da Globo onde gravava ‘Caldeirão do Huck’), recebi uma mensagem de Deus: ‘Leve seu filho agora para o hospital. Ele precisa’”, contou Claudia, que segunda-feira à noite foi com a criança para o médico.“Deus é perfeito.
Na semana do Dia das Mães, o inimigo queria me destruir, mas Deus foi mais forte. Ele, que teve misericórdia e compaixão de mim. Meu filho e minha família são tudo para mim, sem eles não existo. Dinheiro e fama são passageiros”, disse ela, que desde entrou no hospital ficou 48 horas sem dormir e fez da Bíblia seu livro de cabeceiras.
O susto com o bebê lhe deu uma lição: “Deus espera algo de mim, preciso servir a Ele.”Claudia cancelou os shows previstos para o próximo fim de semana e deve ficar no hospital até terça-feira: a medicação do bebê termina na segunda-feira à noite. “Ele precisa ficar pelo menos sete dias tomando antibiótico, seria um trauma transferi-lo antes”, conta o assessor da cantora, Paulo Sampaio. O resultado do exame que determina o tipo de meningite sai entre 48 a 72 horas.
O jornal Extra publicou uma carta, escrita por Claudia Leitte, onde a cantora agradeceu todo o carinho e orações que seus fãs e colegas tem feito em torno da recuperação de Davi.
A todos que estão orando por Davi, minha gratidão eterna. O Senhor Jesus já providenciou a cura para o meu filho, eu sei; contudo, saber do amor de vocês e dessa comoção toda me deixa ainda mais fortalecida e confiante.
Que Deus os abençoe. Obrigada por tudo!
Claudia Leitte
Cantora ocupa dois quartos no hospital
Claudia ocupa duas suítes no 5º andar. Em uma, fica a unidade semi-intensiva, para onde o bebê foi ontem, com o berço ao lado da cama e aparelhos que monitoram a saúde de Davi.
No outro quarto, ela descansa e recebe visitas como Preta Gil, que foi lá ontem. Claudia passa as noites em claro e dorme de dia. Ela faz as refeições no quarto e jantou comida tailandesa.“Minha filha é guerreira. Pode estar em frangalhos por dentro, mas aguenta”, diz sua mãe, Ilna.
O marido, Marcio, fica no hospital e os pais dormem no hotel. Terça, ela chorou ao saber que um fã rezava na porta do hospital à noite.
O filho da cantora, Davi, deixou a UTI na tarde desta quarta e na próxima semana deve sair do hospital.
Fonte: Estrelando e Jornal O Dia

MG Música : Noite de cura e arte na gravação do DVD de Fernanda Brum

A cantora e pastora Fernanda Brum gravou, nesta quinta-feira, 7 de maio, seu novo DVD, "Cura-me", em formato HD (hay definition) -, o primeiro da gravadora MK Music em alta definição.
A gravação foi na Igreja Batista Central da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ), em uma mistura de música, teatro e dança.
Estar bem perto das pessoas para ministrar cura emocional, física, renovo espiritual, libertação de mágoas e feridas do passado e do presente. Essa foi a revelação que a cantora e pastora Fernanda Brum recebeu de Deus e colocou em prática em seu novo DVD, Cura-me, que foi gravado na quinta-feira (07) em formato HD (hay definition) -, o primeiro da gravadora MK Music em alta definição.
No repertório, as música do CD homônimo, que já recebeu Disco de Platina, e cinco regravações.
Fernanda Brum, sempre ousada, inovou mais uma vez unindo música, teatro e dança.
Para acomodar o projeto - inédito na música gospel, o local escolhido foi a Igreja Batista Central da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ), onde Fernanda é pastora, ao lado do marido e produtor musical, Emerson Pinheiro.
O motivo? Estar em "casa" para receber de Deus e ministrar ao Seu Povo de uma forma bem direta e franca. Tarefa essa que não foi uma das mais fáceis.O templo foi transformado em uma grande sala, lembrando lounges, com puffs, sofás, abajoures, muitos tecidos em tons de roxo e lilás. Tudo bem aconchegante, com público mais reduzido (diferente dos DVDs anteriores Apenas Um Toque e Profetizando às Nações) formado por membros da igreja, familiares, amigos e convidados, como o MC Marcinho.
Fernanda ficou à vontade, parecia estar realmente em sua casa, orando em seu quarto, como ela mesma definiu. E ela foi usada por Deus! Cantou 14 músicas - algumas com novos arranjos - e ficou à vontade na estrutura produzida pela MK Music para ela, sua banda e seu vocal, formado pelos irmãos Anderson e Adelso Freire e pelo cantor Sinclair, amigo e parceiro do casal Fernanda e Emerson de longa data.
O resultado foi contemplativo e revigorante.O DVD teve, além de música, muita arte com a participação do ministério de teatro Cristão, Jeová Nissi, que veio de São Paulo exclusivamente para participar do projeto.
Eles fizeram uma encenação da passagem bíblica que relata a violência de Amnom contra Tamar, filhos do Rei Davi, que foi seguida por uma ministração de Fernanda e pela canção "Como se Cura a Ferida". Foi momento de cura para as mulheres.
O Jeová Nissi participou também na música "Aborto Não". Em uma mistura de interpretação com dança flamenca, o grupo emocionou o público e arrancou apausos pela forma tão forte e clara que representaram o tema.
No violão, o conceituado músico Sérgio Knust dedilhou seu instrumento com muito sentimento.
Sentimento e vida, que é a marca da banda que faz parte do ministério Fernanda Brum."A banda vestiu a camisa do projeto, eles entenderam a nossa visão. São músicos ungidos, e aconteceu o que Deus queria que acontecesse, foi muito especial", definiu o pastor Emerson Pinheiro, marido de Fernanda e produtor musical do DVD Cura-me e dos demais trabalhos dela.
Para colocar esse projeto em prática, a gravadora MK Music investiu muito, e valeu a pena. Para a montagem do cenário idealizado por Marina de Oliveira, várias empresas foram mobilizadas. O palco foi ampliado e rampas foram construídas.
A iluminação foi assinada por Naldo Bueno, da Oficina de Luz - responsável pelos DVDs Aline Barros Caminho de Milagres e Fernanda Brum, Profetizando às Nações - que utilizou equipamentos exclusivos e de última geração.
"Deus veio de uma maneira linda! É um sonho antigo, misturar teatro com música, e isso parecia impossível. Deu tudo certo, a gente se entendeu muito.
Eu estou exausta, porque trabalhamos nesse DVD há alguns meses, mas muito feliz com o resultado", revelou Fernanda, ao final da gravação. O DVD Cura-me será lançado muito em breve pela MK Music.
Fonte: Site da cantora Fernanda Brum

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails